PUBLICIDADE
Topo

"Respirar" é escolhido Melhor Filme da Mostra de São Paulo; confira vencedores

Cartaz de "Respirar", de Karl Markovics, que levou o prêmio de melhor filme pelo júri da Mostra - Divulgação
Cartaz de "Respirar", de Karl Markovics, que levou o prêmio de melhor filme pelo júri da Mostra Imagem: Divulgação

ANA OKADA

Da Redação

03/11/2011 22h03Atualizada em 03/11/2011 23h50

A organização da 35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo divulgou na noite desta quinta-feira (3) a lista de premiados do festival: o filme "Respirar", de Karl Markovics (Áustria), ganhou o prêmio de melhor filme segundo o júri da mostra. Dentre as produções brasileiras, foram premiados os longas "Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios", de Beto Brant e Renato Ciasca, que recebeu o prêmio Itamaraty de melhor longa-metragem, e os documentários "Raul - O Início, o Fim e o Meio", de Walter Carvalho, e "Vai-Vai: 80 Anos nas Ruas", de Fernando Capuano, que receberam o prêmio de melhor documentário escolhido pelo público. "Raul" também ganhou o prêmio de melhor documentário segundo a escolha do público.

O melhor longa eleito pela crítica foi "Era Uma Vez na Anatólia", de Nuri Bilge Seylan. Pela escolha do público, "Teus Olhos Meus", de Caio Sóh, foi o melhor longa nacional. "Desapego", de Tony Kaye, e "Frango com Ameixas", de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, foram os melhores longas internacionais.

Segundo Renata de Almeida, organizadora da mostra junto de Leon Cakoff, que morreu pouco antes do evento, a sensação agora é de "dever cumprido". "É muito difícil de avaliar [a mostra] logo que acaba, ter uma visão de tudo, mas hoje eu estou com um sentimento de dever cumprido", diz. "Coloquei isso para mim desde o começo do ano, que faríamos a mostra acontecer e, apesar de toda a tristeza, terminar dá uma boa sensação."

 

Diretores homenageados

O diretor Hector Babenco foi homenageado pelo conjunto da obra e os cineastas Atom Egoyan e Mohsen Makmalbaf ganharam o prêmio Humanidade, que neste ano foi renomeado para "Prêmio Humanidade Leon Cakoff".

Egoyan dedicou o prêmio a Cakoff, "um cinéfilo extraordinário". "O gesto mais incrível que um cineasta jovem pode receber é ser convidado para vir a um festival como esse. Leon me convidou há 25 anos atrás e continuou me convidando, mas nem sempre pude vir. Foi muito triste que, quando eu finalmente vim, ele não estava mais aqui. Dedico esse prêmio a ele."

O iraniano Mohsen Makmalbaf, que está sendo perseguido pelo governo de seu país, disse que não imaginava que iria receber um prêmio na mostra e que, ao chegar ao Brasil, não sabia que Leon Cakoff havia morrido. "Quero abraçá-lo [Cakoff] agora. Sem ele, o cinema do Irã e do Oriente Médio talvez nunca tivesse chegado até vocês."

Ele também falou de sua luta para que o Brasil não vote junto com o Irã na ONU (Organização das Nações Unidas). "Vim aqui para pedir aos diretores, a quem trabalha na área, para que nos ajudem a proteger os cineastas, jornalistas e professores universitários que estão presos. Peço ao governo do Brasil que, quando for votar, não votem junto com o Irã, porque ele não respeita os direitos humanos. Essas pessoas estão sofrendo muito e precisam do apoio de vocês."

Confira a lista de premiados:

Prêmio aquisição, do Canal Brasil
"A Casa da Vó Neide", de Caio Chiavechini

Prêmio Itamaraty de melhor curta-metragem (valor de R$ 15 mil)
"Cine Camelô", de Clarissa Knoll

Prêmio Itamaraty de melhor melhor documentário (valor de R$ 30 mil)
"Raul - O Início, o Fim e o Meio", de Walter Carvalho (estreia em 27 de janeiro)

Prêmio Itamaraty de melhor longa-metragem (valor de R$ 45 mil)
"Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios", de Beto Brant e Renato Ciasca

Prêmio Itamaraty de melhor conjunto da obra Hector Babenco
Troféu Bandeira Paulista - prêmio da crítica

Prêmio especial
"Sábado Inocente", de Alexander Mindadze

Melhor Filme
"Era Uma Vez na Anatólia", de Nuri Bilge Seylan

Escolha do Público

Melhor documentário
"Raul - O Início, o Fim e o Meio", de Walter Carvalho e "Vai-Vai: 80 Anos nas Ruas", de Fernando Capuano

Melhor documentário internacional
"Batidas, Rimas & Vidas"

Melhor longa de ficção brasileiro
"Teus Olhos Meus", de Caio Sóh

Melhor longa de ficção internacional
"Desapego", de Tony Kaye e "Frango com Ameixas", de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud

Prêmio do Festival da Juventude
"Uma Incrível Aventura", de Debs Gardner-Paterson

Prêmio Humanidade Leon Cakoff
Cineastas Atom Egoyan e Mohsen Makmalbaf

Prêmio especial do júri da mostra de melhor documentário
"Marathon Boy", de Gemma Atwal

Prêmio do júri da mostra

Melhor ator
Théodor Júliusson, por "Vulcão" (Islândia, Dinamarca)

Melhor atriz
Alina Levshin, por "Combat Girls" (Alemanha)

Melhor Filme
"Respirar", de Karl Markovics (Áustria)