Estrela de "À Beira do Abismo", Sam Worthington conta como foi ficar pendurado no alto de um prédio de 20 andares em Nova York

Rosa Gamazo
Do UOL, em Los Angeles

  • Divulgação

    Sam Worthington em cena de "À Beira do Abismo", de Asger Leth

    Sam Worthington em cena de "À Beira do Abismo", de Asger Leth

Enquanto não volta aos cinemas como o fuzileiro naval paraplégico de "Avatar" (2009) - "Avatar 2" foi anunciado para 2016 - ou como o semideus Perseu de "Fúria de Titãs" (2010) - que ganha sequência ainda este ano -, Sam Worthington retorna às telas no papel de um ex-presidiário, condenado injustamente, que ameaça se jogar do alto de um hotel em Manhattan. Em "À Beira do Abismo", ele passa boa parte do filme pendurado em um parapeito, enquanto uma psicóloga (Elizabeth Banks) tenta convencê-lo a não se suicidar.


Em entrevista ao UOL Cinema, ele falou sobre o filme e sobre a experiência de ficar pendurado a mais de 60 metros de altura.

UOL - Você tem medo de altura?
Sam Worthington -
Não, não tenho. Para ser honesto, eu não sou fã de alturas e acho que essa foi parte da atração. Eu me lembro de conversar com Lorenzo [di Bonaventura, produtor do filme] a respeito; com ele dizendo que queria que eu ficasse do lado de fora o máximo possível, me mantendo o máximo possível naquele beiral. Dá calafrio, mas é um tipo diferente de fobia, porque você está tão no alto que seu cérebro não consegue conceber. Não é como se você estivesse olhando para baixo de uma sacada no 10º andar e pensando "uau, é alto". Seu cérebro não consegue entender o que está acontecendo.


UOL - Então você realmente ficou a 21 andares de altura?
Worthington -
Eram 60 metros – mais de 60 metros de altura.

UOL - Mas você estava bem amarrado.
Worthington -
Não, tinha apenas um cabo. E eles não esperavam que eu pudesse correr, pular e sentar tanto quanto eu podia, mas essa foi a parte fácil. O difícil foi interpretar que eu estava apavorado. Porque a adrenalina toma conta e fica fácil fazer toda a ação, porque é o que seu corpo deseja. O esforço é tentar encontrar uma forma de entender o que está acontecendo.

UOL - Mas não faz parte da mágica de Hollywood eles colocarem você no primeiro andar, e então usar uma tela verde e tudo mais?
Worthington -
Sim, mas isso é tedioso. Veja o Tom Cruise correndo no prédio em Dubai. Esse é o tipo de coisa que você quer fazer. Esse é o tipo de coisa que você não faz na sua vida normal. Ficar a um metro de altura em uma tela verde, isso é chato. Mas ficar a 60 metros de altura, ninguém tem chance de fazer isso e fechar quatro quarteirões de Nova York. Isso é que é legal.

UOL - Você ouviu algum nova-iorquino dizer "Pula!"?
Worthington -
Eu ouvia coisas mais parecidas com, "tira essa p**** daqui e vão embora" – isso é o mais estranho a respeito de filmar em Nova York. Eles estão acostumados a "Law & Order", mas não conosco.

TRAILER DE "À BEIRA DO ABISMO"


UOL - O quanto você se identifica com o conceito de ser acusado injustamente. Isso já aconteceu alguma vez? Por exemplo, você roubou algum biscoito quando era criança?
Worthington -
Eu acho que todo mundo já passou por algo assim, obviamente nunca nesse extremo, mas eu já li coisas ao meu respeito que eram totalmente falsas e senti, por que alguém escreveria aquilo a meu respeito? E se mesmo nesse nível você meio que se ofende, o que dizer de alguém colocado na cadeia por algo que não fez?

UOL - Mas é fácil para você deixar para lá, quando alguém fala coisas sobre você que não são verdadeiras?
Worthington -
Está ficando mais fácil. Quando eu era mais jovem, não; eu virava um pit bull. Eu brigava e odiava as pessoas por aquilo. Mas agora que estou ficando mais velho, eu meio que não ligo mais.

UOL - E quanto ao interior de um presídio? Vocês realmente filmaram dentro de um?
Worthington -
Sim, filmamos, mas você não fica de fato dentro da área principal do presídio e não há presidiários de verdade ao seu redor. Mas toda prisão é assustadora. Em "O Exterminador do Futuro – A Salvação" nós estivemos em um corredor da morte real. Eu não gostaria de estar ali.

UOL - Como foi trabalhar com Ed Harris?
Worthington -
É enervante. É como trabalhar como Liam Neeson, Ralph (Fiennes) e caras assim. Você cresce os assistindo e eles são uma referência. Ed é um sujeito quieto, autocontrolado. Mas quando a câmera começa a filmar, ele estoura como fogos de artifício e você fica assustado só de olhar nos olhos dele. Mas você é obrigado a se empenhar com eles e isso torna você melhor. É assim simples.

Últimas de Cinema



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos