PUBLICIDADE
Topo

"Não tivemos um 'cinema novo' na animação", diz diretor brasileiro

Cena de "O Menino e o Mundo", de Alê Abreu - Divulgação
Cena de "O Menino e o Mundo", de Alê Abreu Imagem: Divulgação

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

29/10/2013 16h56

Uma das perguntas frequentes sobre o cinema nacional --ao lado do inevitável "Por que ainda não ganhamos o Oscar?"-- é :"Onde estão as animações brasileiras?". Essa última encontra resposta na 37ª Mostra Internacional de São Paulo. Dois representantes do gênero que passaram pela programação deram o gosto de um inventivo e bem feito mercado de animações que parece, enfim, se aquecer.

  • Reprodução

    Anelio Latini com seus personagens folclóricos de "Sinfônia Amazônica", de 1951

"Justamente por não termos muita referências, é uma área que ainda está crescendo", disse ao UOL o ilustrador e diretor Alê Abreu, responsável pelo onírico "O Menino e o Mundo". "A gente fala do movimento do cinema novo como grande marco no cinema nacional, mas não tivemos um 'cinema novo' na animação".

Em termos de comparação, o "Glauber Rocha da animação" foi Anelio Latini, que em 1951 ilustrou e dirigiu o primeiro longa-metragem brasileiro do gênero, "Sinfonia Amazônica", em preto e branco. Após a estreia, no entanto, a técnica não conseguiu decolar e apenas 33 animações foram finalizadas desde então --entre eles, 13 são da grife Turma da Mônica.

Os representantes desse ano caminham cada um para um lado. Misturando estéticas que vão do rabisco primal do lápis de cor a colagens, "O Menino e o Mundo" parece ser para o público infantil, assim como o filme anterior de Alê, "Garoto Cósmico" (2007). Ledo engano. "Nós não sabíamos, até pouco tempo atrás, quem era nosso público alvo. Após sessões de testes, vimos que conseguimos abranger crianças a partir dos cinco anos", contou o diretor.

"O Menino e o Mundo" estreia em janeiro de 2014 com status de filme de arte e com aprovação internacional após receber o prêmio especial do Ottawa International Animation Festival, um dos maiores festivais de animação do mundo. O júri justificou: "Porque é repleto de algumas das imagens mais belas que já vimos".

O arco do personagem principal, um menino que sai de sua aldeia em busca do pai, é repleto de poesia, com direito a surpresa no final --é um longa para se assistir com atenção. Sem diálogos, a saga do menino sem nome chega a cidade grande, que esmaga diariamente a população amontoadas em favelas.

Divulgação
A diferença é que um filme da Disney custa 30 vezes mais do que todos os filmes brasileiros produzidos juntos. É outro universo

Otto Guerra

Aventura animada
Na mesma programação --algumas vezes até dividindo o mesmo horário de exibição-- "Até Que a Sbórnia nos Separe" vai para um lado mais aventureiro, mas não menos intrigante. Ágil e esperto, o filme de Otto Guerra ganhou a codireção de peso de Ennio Torresan Jr., carioca que trabalhou no departamento de arte de "Madagascar 2" e "Kung-Fu Panda". O ritmo é digno de um filme grande da Disney.

Otto já dirigiu "Wood & Stock", baseado nos personagens do cartunista Angeli, e se prepara para levar o mundo do "Piratas do Tietê", de Laerte, à telona. Ele enxerga, pela primeira vez, um espaço nunca antes navegado na animação. "Estamos em um momento único. Sob todos os aspectos, não só de produção e conteúdo, mas também para as janelas de exibição, como TV a cabo. A experiência se dá com a prática, então precisamos produzir muito durante anos. Não temos experiência pregressa”.

  • Divulgação

    Cena de "Até que a Sbórnia nos Separe"


Animação de periferia
Histórico pequeno de animações não é problema exclusivo do Brasil. "É um fenômeno mundial. Portugal tem uma produção de apenas cinco filmes de animação. A indústria de Hollywood e a japonesa têm o monopólio na produção. A periferia, nós, assim como a Argentina, ainda está correndo por fora. Estamos no início. A diferença é que um filme da Disney custa 30 vezes mais do que todos os filmes brasileiros produzidos juntos. É outro universo", defendeu Otto.

A dificuldade em conseguir verbas para a produção e distribuição --a mesma que assombra todos os outros filmes brasileiros-- também conta. Com curso de R$ 4 milhões, "Sbórnia..." foi bancada, em partes, com dinheiro de empréstimo. "Ainda estamos pagando esse filme", ri Otto.

  • Tiago Dias/UOL

    Alê Abreu mostra os primeiros rascunhos de 2006

Livremente baseada no espetáculo musical "Tangos & Tragédias", criado por Hique Gomez e Nico Nicolaiewsky, "Sbórnia" chegará ao circuito em formato 3D. "A ideia era fazer um filme comercial. O 'Wood e Stock' era um pouco hermético", explicou Otto. E o público alvo? "Nossa, cara, criança mesmo eu não sei. Se bem que minha sobrinha de 5 anos ficou grudada".

Embora sejam filmes com propostas e estéticas diferentes, o choque de realidade e a barreira que separa a terra idealizada de uma metrópole --onde o prazer, os costumes e o barulho desvirtuam quem vem de fora-- é o elo que une os dois trabalhos.

Em "Até que a Sbórnia nos Separe", os moradores da fictícia Sbórnia têm uma vida própria e tranquila, que passam a vida a festejar e a tomar um mate com efeitos alucinógenos chamado Bizuwin. Quando o muro que separa o país do restante do mundo cai, os sbornianos passam por uma crise de identidade que coloca a terra resguardada em perigo.

Vem aí

  • Minhocas, de Paolo Conti e Arthur Nunes. Primeiro trabalho em stop-motion no país. Estreia prevista: 20 de dezembro
  • As Aventuras do Avião Vermelho, de Frederico Pinto e José Maia. Baseado no livro infantil de Érico Veríssimo. Sem previsão
  • A Cidade dos Piratas, de Otto Guerra. Adaptação das tiras "Piratas do Tietê", de Laerte. Em produção

Já "O Menino" nasceu da ponta do lápis de Alê, que começou a desenhar personagens e cenários em 2006 sem saber exatamente o que aquilo significava. "Eu fui desenhando o menino, uma galinha, sem saber onde isso iria parar. Desenhei a mãe, desenhei o velho e fui dando nomes: 'esse é o pai'. E por que o menino está parado olhando a estação de trem? Porque ele está esperando o pai voltar. Imagino que esse menino, que se chamava Cuca, é alguém especial. Que brinca com as formas e sons. A cidade não tem espaço para alguém sensível", recorda, mostrando o caderno com os primeiros rabiscos.

Os rascunhos acabaram se juntando a outro projeto de Alê com Priscilla Kellen, que coordenou a parte artística do filme: um documentário sobre cidades periféricas em animação. Sem nenhum problema, afinal, para eles, a animação extrapola qualquer rótulo. "Não enxergamos animação como gênero, é uma técnica que pode servir para um documentário, um filme de ação, qualquer coisa", explica Priscila.