Filmes e séries

Medo, machismo e assédio: Natalie Portman revela lado sujo de Hollywood

Getty Images
Natalie Portman revelou a podridão de Hollywood Imagem: Getty Images

Do UOL

Em São Paulo

20/11/2017 17h36

Ela surgiu ainda adolescente no cult "O Profissional", explodiu para o sucesso na bilionária saga "Star Wars" e foi consagrada no Oscar com uma atuação arrebatadora em "Cisne Negro". Mas a carreira de sucesso não apaga ou exclui o que centenas (talvez milhares) de atrizes sofrem em Hollywood: medo, assédio sexual, machismo e violência de todos os tipos. Mas agora Natalie Portman resolveu falar.

Em entrevista durante um festival em Los Angeles, a atriz de 36 anos contou os casos de assédio que sofreu durante a carreira. "Quando esses casos de assédio vieram à tona eu pensei que tinha sorte por não ter passado por isso. Mas pensando bem eu vi que, de uma maneira ou de outra, sofri discriminação ou assédio em praticamente todos os trabalhos que fiz. Acho que muita gente está tendo esse reconhecimento agora", afirmou Portman.

Leia também:

Segundo a atriz, os casos de assédio começaram logo após o sucesso de "O Profissional". No filme ela interpreta uma garota que passa a viver com um assassino profissional após os seus pais serem mortos. Portman tinha 11 anos quando gravou o filme. 

Definitivamente teve um período na minha carreira que eu recusava fazer qualquer cena de beijo ou de sexo. Por que nos meus primeiros papéis as críticas diziam que eu era uma Lolita e coisas do tipo, e isso me deixava assustada

Ela também relatou um convite feito por um produtor, que a chamou para viajar de avião para um lugar onde ela já ia. "Eu apareci e só tinha nós dois e uma cama no avião. Eu disse que aquilo não me deixava confortável e fui respeitada. Mas não foi nem um pouco legal. Foi realmente inaceitável e manipulador. Eu fiquei assustada."

Além disso, Portman também já disse ter sido desrespeitada por diretores. Um deles teria dito que a atriz o estava "cansando" em uma reunião. "Eu falei: 'Eu o estou cansando por dar minha opinião sobre o meu trabalho?' E a atitude era completamente diferente com os atores homens que estavam a meu lado, chegando ao ponto que um dos atores teve que dizer para o diretor: 'Você não a está ouvindo de jeito nenhum e está me ouvindo, e nós estamos basicamente dizendo a mesma coisa'".

Segundo Portman, a indústria do cinema é machista, com as mulheres tendo poucas oportunidades. "Normalmente você anda pelo set como sendo a única mulher. É muito raro ver mulheres na equipe de filmagens além das áreas de cabelo, maquiagem e figurinos, que são os departamentos mais estereotipados para as mulheres nessa indústria. Se você consegue uma oportunidade para trabalhar, normalmente é a única mulher na sala. Eu já ouvi isso de amigas que são advogadas, empresárias ou escritoras no show business." 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo