Filmes e séries

Acusado de assédio, protagonista de "Transparent" se desliga da série

REUTERS/Mike Blake
Jeffrey Tambor Imagem: REUTERS/Mike Blake

Do UOL, no Rio

19/11/2017 20h03

Após duas acusações de assédio por membros da equipe de "Transparent", Jeffery Tambor anunciou neste domingo (19) que não vai retornar à série da Amazon, segundo o "Deadline". O ator, que nega o abuso, se refere a situação como um mal-entendido.

"Interpretar Maura Pfefferman em 'Transparent' foi um dos maiores privilégios e uma das maiores experiências criativas da minha vida. Ficou claro nas últimas semanas, no entanto, que esse não é mais o mesmo trabalho que comecei há quatro anos", afirmou o ator à publicação.

"Já deixei claro que lamento profundamente se alguma ação minha foi mal interpretada por alguém como sendo agressiva, mas a ideia de que eu deliberadamente assediaria alguém é simplesmente uma inverdade. Dada a atmosfera politizada que parece ter atingido nosso set, eu não vejo como voltar à série", declarou. 

Tambor foi acusado de assédio sexual por uma colega da série, a atriz trans Trace Lysette, que interpreta a personagem Shea. Ela relatou o comportamento do ator em declaração à revista "The Hollywood Reporter" na última quinta-feira (16). Em seu texto, ela afirma que Tambor fez "muitos avanços e comentários sexuais" e, em uma ocasião específica, o assédio se tornou físico.

No dia, quando a atriz surgiu para gravar uma cena vestindo sutiã e shorts, Tambor teria dito: "Meu Deus, Trace. Quero atacar você sexualmente". Uma outra atriz, Alexandra Billings, estava presente no momento, e as duas levaram a declaração na brincadeira "porque era muito absurda", recordou Lysette.

Mais tarde, ela afirma que o ator a atacou. "Minhas costas estavam apoiadas em uma parede quando Jeffrey me abordou. Ele se aproximou, colocou os pés descalços em cima dos meus, de forma que eu não conseguia me mexer, e começou a fazer movimentos rápidos e discretos contra o meu corpo. Eu senti o pênis dele no meu quadril através do pijama fino que ele vestia e o empurrei".

Em declaração oficial, Tambor negou a acusação. “Eu sei que nem sempre fui a pessoa mais fácil de se trabalhar. Eu posso ser volátil, ter um temperamento ruim e frequentemente expresso minhas opiniões de forma sem tato. Mas nunca fui um predador – nuca. Eu sinto muito se qualquer ação minha foi mal interpretada por qualquer pessoa como sendo sexualmente agressiva ou se eu ofendi ou machuquei alguém. Mas o fato é que, apesar das minhas falhas, eu não sou um predador, e a ideia de que alguém possa me ver dessa forma é mais perturbadora do que consigo expressar.”

Tambor já havia sido acusado de assédio por sua ex-assistente pessoal, Van Barnes. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo