Filmes e séries

"Law and Order: SVU" terá episódio inspirado em assédio de Weinstein

Getty Images
Harvey Weinstein foi denunciado por várias atrizes de Hollywood Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

23/11/2017 09h52

A série “Law and Order: Special Victims Unit” terá um episódio inspirado nas denúncias de assédio e abuso sexual contra o produtor Harvey Weinstein.

“Nós estamos fazendo uma referência direta a Harvey Weinstein, mas não na indústria do entretenimento”, contou o produtor executivo Michael Chernuchin à revista “Entertainment Weekly”. “É um episódio importante sobre cultura do estupro dentro de uma área, e queríamos que a lei fosse mais abrangente para criminalizar esse tipo de ambiente.”

Veja mais

Em vez de Hollywood, o episódio será centrado no mundo da aviação – e já estava sendo escrito quando estourou o escândalo do magnata. “Nós estávamos trabalhando em uma história sobre pilotos de aviação e o ‘clube do bolinha’ que há nessa área. Estávamos mexendo no texto e dissemos ‘uau, isso é exatamente o que as atrizes passam em Hollywood. É a mesma coisa’. Então desenvolvemos toda a nossa história ‘Harvey’ com pilotos.”

O episódio está previsto para ir ao ar em 2018.

No ar há 19 temporadas “Law and Order: SVU” conta a história de Olivia Benson (Mariska Hargitay), uma detetive que da unidade da polícia de Nova York incumbida de investigar crimes sexuais. No Brasil, a série é transmitida pelo Universal Channel.

Escândalos em Hollywood

Vários atores e cineastas poderosos vêm sendo alvos de acusações desde que uma reportagem publicada pelo "The New York Times" no início de outubro revelou que o produtor Harvey Weinstein assediou mulheres durante décadas. Dias depois, a revista "New Yorker" publicou sua própria reportagem sobre o tema -- dessa vez, com acusações de estupro.

Com o passar dos dias, o número de denúncias explodiu. Nomes de peso da indústria, como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino e Rosanna Arquette também acusaram o magnata. Weinstein, que ao lado do irmão Bob construiu uma fábrica de sucessos de bilheteria, com 80 premiações do Oscar e mais de 300 indicações, deixou o seu cargo na empresa que fundou e foi expulso do Sindicato dos Produtores e da Academia.

A repercussão do caso fez com que várias outras famosas relatassem suas experiências: Reese Whiterspoon, por exemplo, contou que foi abusada por um diretor quando tinha apenas 16 anos, e Jennifer Lawrence revelou que foi colocada nua em uma fila com outras atrizes e chamada de "comível" por um produtor.

Desde então, outros nomes da indústria foram denunciados, como o diretor James Toback e os atores Kevin Spacey, Jeffrey Tambor e Ed Westwick. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo