Filmes e séries

Astro de "Família Dó-Ré-Mi", David Cassidy morre aos 67 anos

AP
O ator David Cassidy, em foto de 2009 Imagem: AP

Do UOL, em São Paulo

22/11/2017 00h38

Conhecido mundialmente pela série "Família Dó-Ré-Mi" ("The Partridge Family", no original), sucesso nos anos 1970, o ator e cantor David Cassidy morreu nesta quarta (22), na Flórida, aos 67 anos, confirmou o site "TMZ".

“David morreu cercado daqueles que os amou, com alegria em seu coração e livre da dor que o puniu durante tanto tempo. Obrigado a todos pelo imenso suporte que vocês deram durante todos esses anos”, divulgou em comunicado a representante do ator.

Cassidy deu entrada em um hospital da Flórida na semana passada e desde então apresentou piora sucessiva no quadro de saúde. Com falência de órgãos, ele precisava com urgência de um transplante de fígado, mas sua condição era tão delicada que dificilmente sobreviveria a ele.

Segundo fontes da família, o ator enfrentava problemas de saúde havia mais de dois meses. Em fevereiro, Cassidy disse à revista "People" que estava sofrendo de demência, doença que também afetou sua mãe.

Reprodução
David Cassidy (no alto à direita) ao lado do elenco de "Família Dó-Ré-Mi" Imagem: Reprodução

Cassidy ganhou fama entre 1970 e 1974, ao interpretar Keith, o filho "Família Dó-Ré-Mi", ao lado de nomes como Shirley Jones, Danny Bonaduce e Susan Dey. O seriado chegou a ser exibido na Rede Globo na época.

Com a popularidade do programa, Cassidy se tornou rapidamente um dos maiores ídolos adolescentes da década de 1970, o que lhe permitiu iniciar uma bem-sucedida carreira de cantor. Entre seus sucessos estão as regravações de "Cherish", "How Can I Be Sure" e o hit "Daydreamer".

Nas últimas décadas, o ator chegou a atuar na Broadway e fez aparições em dezenas de séries. Segundo o site "IMDB", a última aconteceu em 2013, em "CSI: Investigação Criminal". David Cassidy também está no elenco do filme "Forgiven This Gun4hir", com lançamento previsto para maio de 2018.

Nos últimos anos, o ator vinha passando por problemas de alcoolismo e também financeiros, chegando a leiloar sua casa na Flórida após pedir falência. Entre 2010 e 2014, foi preso três vezes por dirigir embriagado, sendo obrigado a passar por uma reabilitação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
Topo