Filmes e séries

Filmes sobre jornalismo se transformam em sucesso quase certo no cinema

Luis Sanz

23/01/2018 07h17

Com a estreia de "The Post: A Guerra Secreta" em janeiro, o novo filme de Steven Spielberg se une à lista de produções sobre o jornalismo que, quase sempre com contornos épicos, constituem um subgênero que rendeu grandes sucessos à indústria do cinema.

Nesta ocasião, Meryl Streep e Tom Hanks, vivem editora e diretor do "Washington Post", que em 1971 decidiu publicar documentos secretos do Pentágono sobre a atuação americana na Guerra do Vietnã.

A direção de Spielberg e as estrelas de Hollywood respondem pelo sucesso da produção, aliado à temática jornalística que quase sempre funciona bem no cinema, tanto em recriações de histórias reais quanto de ficção.

A tensão entre o direito à informação e a tentação dos poderosos de guardar os seus segredos rendeu grandes histórias ao cinema, algumas tão importantes quanto "Todos os Homens do Presidente" (1976), dirigido por Alan J. Pakula e interpretado por Robert Redford e Dustin Hoffman.

A história que recriou a investigação do Caso Watergate, o maior escândalo de corrupção política dos Estados Unidos e que acabou com a presidência de Richard Nixon pelo trabalho de dois redatores do "Washington Post", lendas entre os profissionais do jornalismo, Bob Woodward (Redford) e Carl Bernstein (Hoffman), ganhou quatro prêmios no Oscar.

Outra homenagem ao jornalismo investigativo é "O Informante" (1999), dirigido por Michael Mann, no qual Al Pacino, com a ajuda de Russell Crowe, colocou na mira empresas fabricantes de cigarro e a sua prática de acrescentar substâncias viciantes aos produtos.

Mais recentemente, "Spotlight: Segredos Revelados" (2015) de Thomas McCarthy, vencedor do Oscar de melhor filme, narrou o trabalho da equipe de investigação do "Boston Globe", que recebeu o Prêmio Pulitzer por revelar casos de pedofilia na Igreja Católica.

Na maioria das vezes o jornalista no filme é um herói desafiando o poder e que trabalha sempre no limite da censura política ou moral, e ainda com o risco de perder o seu emprego ou até algo mais.

Esse embate foi muito bem retratado em "Boa Noite e Boa Sorte" (2005), de George Clooney, filme protagonizado por David Strathairn e pelo próprio Clooney que relata o confronto entre o famoso apresentador da "CBS" Edward R. Murrow e o senador Joseph McCarthy.

Apesar de o jornalismo político e o investigativo estarem nas telonas desde o mítico "Cidadão Kane" (1941), de Orson Welles, o cinema também refletiu outros gêneros da imprensa.

Um exemplo é o filme sobre a entrevista que o jornalista britânico David Frost (Michael Sheen) fez com o ex-presidente dos Estados Unidos Richard Nixon (Frank Langella), em 1977, e que Ron Howard filmou em 2008, "Frost/Nixon".

O Novo Jornalismo, mistura de literatura e jornalismo que fez sucesso nos anos 70, também teve sua vez com "Capote" (2005), de Bennett Miller.

A história mostrava o trabalho investigativo de Truman Capote sobre o assassinato de uma agricultora do Kansas e que foi contado no livro "A Sangue Frio", que para muitos representou a origem do Novo Jornalismo. A interpretação do falecido Philip Seymour Hoffman valeu um Oscar e um prêmio BAFTA.

Os repórteres de guerra também têm os seus filmes icônicos, como o australiano "O Ano Que Vivemos em Perigo" (1982), de Peter Weir, com Mel Gibson e Sigourney Weaver; e o britânico "Os Gritos do Silêncio" (1984), de Roland Joffé, ambos ambientados no Sudeste Asiático.

Mas nem todos foram odes à liberdade de expressão e épicas história de repórteres. O cinema também mostrou o lado obscuro dos meios de comunicação e talvez o primeiro que tenha feito isso (com permissão de Welles) tenha sido Sidney Lumet ao advertir sobre o excessivo poder da televisão em "Network - Rede de Intrigas" (1976), que mostra quando um veterano apresentador (Peter Finch) anuncia que está disposto a se matar na frente das câmaras para evitar a demissão e acaba disparando a audiência. O filme foi vencedor em quatro categorias no Oscar.

O mesmo fenômeno, a ética vilipendiada para conseguir audiência, é o tema central de "O Abutre" (2014). Jake Gyllenhaal encarna um sujeito que descobre o quão lucrativo pode ser o mercado de venda de imagens de tragédias para a imprensa.

Ainda muitas pessoas lembram de "A Primeira Página" (1974) quando o assunto é jornalismo e cinema, no qual Billy Wilder dirigiu Jack Lemmon no papel de um jornalista disposto a abandonar a profissão para se casar e Walter Matthau, como o diretor, se mostra disposto a qualquer coisa para mantê-lo na equipe.

Em pelo menos três ocasiões peças de teatro foram para no cinema: "Última Hora" (1931), "Jejum de Amor" (1940) e "Troca de Maridos" (1988), com histórias que se passam em um jornal e em uma emissora de TV.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
EFE
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Ricardo Feltrin
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Barcinski
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo