Filmes e séries

Como o assédio fez Netflix e Amazon perderem seus principais protagonistas

Divulgação/Montagem UOL
Netflix e Amazon perderam Kevin Spacey e Jeffrey Tambor em meio ao escândalo de assédio em Hollywood Imagem: Divulgação/Montagem UOL

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

21/11/2017 04h00

Em menos de um mês, os dois maiores serviços de streaming da indústria cinematográfica perderam seus principais protagonistas. A Netflix deu adeus a Kevin Spacey, de “House of Cards”, e o Amazon Prime Video viu o premiado Jeffrey Tambor, de “Transparent”, pedir as contas. E pelo mesmo motivo: as graves denúncias de assédio e abuso sexual que vem abalando Hollywood nos últimos meses.

Vencedor de dois Oscars, Spacey foi o primeiro nome de peso a assinar um contrato com a Netflix para uma série original – e é creditado como um dos fatores por trás do grande sucesso de “House of Cards”. Mas ele viu sua reputação ir de mal a pior após uma entrevista do ator Anthony Rapp, que acusou o veterano de assediá-lo quando tinha apenas 14 anos. A resposta do ator não ajudou: ele disse que não se lembrava do ocorrido e aproveitou para assumir que é homossexual, um movimento considerado oportunista por grande parte da comunidade LGBT e duramente criticado nas redes sociais.

Veja mais

A situação fez a Netflix anunciar que a sexta temporada seria a última da série – uma decisão que havia sido tomada antes da acusação, mas que com certeza a empresa esperava anunciar em um momento mais feliz. No dia seguinte, a produção dos novos episódios foi suspensa para que a equipe pudesse “avaliar a situação”.

Mas se existia qualquer possibilidade de o astro retornar à série como Frank Underwood, não demorou muito para ela ser enterrada. Surgiram várias outras denúncias contra Spacey, incluindo as de oito funcionários de “House of Cards”, e ele passou a ser investigado pela polícia britânica por uma acusação de estupro. A Netflix então anunciou que não trabalharia “em qualquer produção de ‘House of Cards’ que inclua Kevin Spacey”, cortando os laços com o ator.

Mais de 15 dias se passaram, e a plataforma de streaming ainda não anunciou nenhuma novidade sobre a série. Segundo a rede CNN, os roteiristas de “House of Cards” estão correndo contra o tempo para reescrever os episódios sem Frank Underwood – aproveitando uma brecha deixada pela quinta temporada, que estreou neste ano.

Há quem acredite, porém, que a situação não deve ser resolvida tão facilmente, já que Spacey também ocupa o cargo de produtor da série – o que pode levar a uma disputa na Justiça entre ele, a Netflix e a produtora Media Rights Capital. O ator está internado em uma clínica de reabilitação, para tratar um suposto vício em sexo.

Em “Transparent”, a história foi parecida. O protagonista Jeffrey Tambor, que já ganhou dois Emmys e um Globo de Ouro pelo papel da mulher trans Maura Pfefferman, foi acusado de assédio por sua ex-assistente pessoal, Van Barnes. Ele negou as acusações, mas passou a ser investigado pela Amazon.

Dias depois, veio à tona mais uma denúncia: a da atriz trans Tracee Lysette, que afirmou que o ator a assediou verbalmente e se esfregou nela no set de filmagens da série. Tambor mais uma vez voltou a se pronunciar: ele pediu desculpas se “qualquer ação foi mal interpretada” e disse que não era “um predador”.

No último domingo, no entanto, ele comunicou sua decisão de se desligar da série, em meio a rumores que os roteiristas estavam considerando escrever a quinta temporada sem ele: “Já deixei claro que lamento profundamente se alguma ação minha foi mal interpretada por alguém como sendo agressiva, mas a ideia de que eu deliberadamente assediaria alguém é simplesmente uma inverdade. Dada a atmosfera politizada que parece ter atingido nosso set, eu não vejo como voltar à série”.

A Amazon ainda também não se pronunciou ainda sobre o futuro da trama.

Escândalos em Hollywood

Vários atores e cineastas poderosos vêm sendo alvos de acusações desde que uma reportagem publicada pelo "The New York Times" no início de outubro revelou que o produtor Harvey Weinstein assediou mulheres durante décadas. Dias depois, a revista "New Yorker" publicou sua própria reportagem sobre o tema -- dessa vez, com acusações de estupro.

Com o passar dos dias, o número de denúncias explodiu. Nomes de peso da indústria, como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino e Rosanna Arquette também acusaram o magnata. Weinstein, que ao lado do irmão Bob construiu uma fábrica de sucessos de bilheteria, com 80 premiações do Oscar e mais de 300 indicações, deixou o seu cargo na empresa que fundou e foi expulso do Sindicato dos Produtores e da Academia.

A repercussão do caso fez com que várias outras famosas relatassem suas experiências: Reese Whiterspoon, por exemplo, contou que foi abusada por um diretor quando tinha apenas 16 anos, e Jennifer Lawrence revelou que foi colocada nua em uma fila com outras atrizes e chamada de "comível" por um produtor.

38 mulheres também denunciaram o cineasta James Toback, indicado ao Oscar pelo filme "Bugsy", em uma reportagem do jornal "Los Angeles Times". Depois da publicação, o número de acusações subiu para cerca de 300.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo