UOL Entretenimento Cinema
 
10/12/2009 - 07h00

"O filme é um tributo a tudo o que a natureza imagina", diz James Cameron sobre "Avatar"

ANA MARIA BAHIANA
Especial para o UOL, de Los Angeles, EUA
Com camisa e calça jeans, James Cameron recebe pessoalmente os convidados para a primeira cabine de imprensa de "Avatar", no maior cinema dos estúdios Fox em Los Angeles, o Zanuck Theater. Com cara de quem não dorme há algum tempo, mas feliz e animado, Cameron parece um noivo na porta da igreja no dia do casamento: um pouco ansioso, um pouco em êxtase. "Terminei o corte final literalmente uma hora e meia atrás", ele me diz. "Até esse momento eu mesmo não estava convencido de que conseguiria mostrar algo digno de ser mostrado. Mas finalmente estou seguro." Respira fundo. "Realmente, é como um parto. Mas finalmente nasceu."
  • Divulgação

    Em "Avatar", terráqueos vão morar em Pandora, planeta habitado por uma raça humanóide


Ou quase. A sessão começa, todos com estilosos óculos 3D especialmente desenhados para a ocasião. A primeira imagem é de tirar o fôlego: um vôo rasante sobre as florestas do planeta Pandora. Logo a seguir, a tela começa a ficar rosada. Será um novo efeito psicodélico? Cameron, sentado numa das últimas filas do Zanuck, levanta-se intempestivamente e anuncia à platéia: "Desculpem, tem algo errado na projeção. Não estou querendo lançar a moda do visual cor de rosa.... Por favor esperem um pouco equanto vou estrangular alguém lá em cima."

De fato, conhecendo o modo como Cameron lida com os detalhes de seus projetos, é fácil imaginar o que acontece na cabine de projeção nos cinco minutos seguintes. Quando a projeção recomeça, do primeiro minuto, tudo está perfeito.

ESPECIAL "AVATAR"

No dia seguinte, bebendo café num hotel de Beverly Hills, bem mais tranquilo, um paletó por cima de outra camisa jeans, Cameron reflete sobre os longos anos da primeira ideia até a primeira exibição de "Avatar": "Foi realmente como pular de um penhasco. Sabíamos que estávamos indo numa direção desconhecida, levando os recursos da criação digital de imagens ao seu extremo, muito além de onde tinha ido até então, porque precisávamos de personagens verdadeiros, autênticos emocionalmente e não apenas visualmente."

Dias antes, Peter Jackson, cujo Gollum em "Senhor dos Anéis" inspirou Cameron a tirar "Avatar" da gaveta, e cuja empresa de efeitos Weta é responsável por todo trabalho de finalização de captura de movimento em Avatar, comentara: "Até eu estou impressionado. Repare não nas coisas grandes, que são lindas mas óbvias, mas nos pequenos detalhes dos rostos, dos músculos, dos olhos. Nunca se viu algo assim".

TRAILER DO FILME "AVATAR"


De uma idéia rabiscada dez anos atrás como um breve argumento sobre a possibilidade da consciência humana habitar diferentes corpos ("avatares") e aumentada progressivamente ao longo do que Cameron chama seu "envolvimento com as questões de energia e meio ambiente, fundamentais para mim agora", "Avatar" segue as aventuras de Jake Sully (Sam Worthington), um marine paralisado da cintura para baixo, enviado ao hostil mas belo planeta Pandora com a missão de habitar um avatar composto pelo DNA dos nativos. Sua missão é dupla: coletar material científico para a Dra Grace (Sigourney Weaver) e espionar para o Coronel Quatrich (Stephen Lang). O encontro com uma espécie de Iracema/Pocahontas de Pandora, Neytiri (Zoe Saldana) mudará tudo.

"Quis propositalmente imbuir o filme de uma consciência de que nosso meio ambiente é vivo, um organismo vivo e complexo.", diz Cameron. "Como alguém que passa muito tempo debaixo d'água (Cameron é um aficionado do mergulho e da exploração oceânica profunda, NR) vendo a maravilha que são os bancos de corais e as florestas submersas, e notando a degração que tudo isso sofreu nos 25 anos desde meu primeiro mergulho, e extrapolar disso para o resto do mundo e o que está se passando agora, em nossas vidas... Há excelentes documentários mostrando tudo isso, mas quantas pessoas vêem documentários? Se quero passar uma idéia para quem for ver Avatar é de que a natureza é extremamente imaginativa. Nossa imaginação como realizadores empalidece diante do que a natureza faz todos os dias - o filme é um tributo a tudo o que a natureza imagina."
Seria Avatar um filme-mensagem então? Em 3D? "Ah, não", Cameron ri. "Esses são muito chatos! Eu quero que todo mundo se divirta muito. Mas sintam, lá no fundo, como é importante respeitar a mãe natureza."

Compartilhe:

    Siga UOL Cinema

    Sites e Revistas

    Arquivo

    Hospedagem: UOL Host