20/02/2010 - 14h56

Coprodução do Brasil ganha prêmio no Festival de Berlim

<a href="http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/"><img src="http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif" border="0"></a>
  • "Lixo Extraordinário" acompanha o artista plástico Vik Muniz em um projeto que envolve catadores de lixo no Rio

    "Lixo Extraordinário" acompanha o artista plástico Vik Muniz em um projeto que envolve catadores de lixo no Rio

Berlim, 20 fev (EFE).- O documentário "Lixo Extraordinário" ("Waste Land"), coprodução entre Brasil e Reino Unido exibida na seção Panorama do Festival de Berlim, ganhou hoje os prêmios do público e da Anistia Internacional (AI).

Dirigido por Lucy Walker e com 99 minutos de duração, o filme mostra um trabalho que o artista plástico brasileiro Vik Muniz desenvolveu com catadores de lixo do Jardim Gramacho, bairro do município fluminense de Duque de Caxias.

O filme foi o mais votado pelo público que compareceu às projeções da seção Panorama, prêmio que será entregue amanhã, no Dia do Espectador, fechando o Festival de Berlim.

Além disso, "Lixo Extraordinário" recebeu hoje o prêmio da Anistia Internacional junto com a produção palestino-egípcia "Son of Babylon", dirigida por Mohammed Al-Daradji.

Após receber o prêmio da AI, Walker disse à Agência Efe que os catadores de lixo são pessoas "dignas, valentes e inspiradoras" e afirmou se sentir "muito feliz" pelo fato de que o prêmio vai permitir que mais espectadores os conheçam.

Segundo a cineasta, é uma "honra" que seu documentário, premiado no último festival de Sundance, sirva para explicar "ao mundo" a vida dessas pessoas.

Walker insistiu na importância da reciclagem do lixo afirmando que "cada ação individual conta e é importante" e assegurou que trazer seu documentário para Berlim e conquistar um prêmio "foi um sonho".

O júri do prêmio da Anistia Internacional destacou o grande valor e compromisso político e social tanto de "Lixo Extraordinário" como de "Son of Babylon".

"Son of Babylon" é um "road-movie" que narra com humor a situação no Iraque semanas depois da queda do regime de Saddam Hussein. A história é contada a partir do ponto de vista de um menino curdo que percorre o norte do país em busca do pai.

Os prêmios do júri internacional do Festival de Berlim, presidido pelo diretor alemão Werner Herzog, serão divulgados nesta noite durante a festa de encerramento do evento.