Filmes e séries

Início de carreira é dureza: 9 astros de Hollywood que já fizeram pornô

Reprodução/Montagem
Sylvester Stallone, Sasha Grey, Jackie Chan e Traci Lords já fizeram filmes adultos Imagem: Reprodução/Montagem

Do UOL, em São Paulo

12/05/2017 06h00

Migrar do cinema pornô para Hollywood não é tarefa fácil, mas alguns astros da indústria do entretenimento adulto conseguiram trilhar trajetória de sucesso em filmes convencionais. Há ainda casos de atores, como Sylvester Stallone e Jackie Chan, que tiveram de se aventurar no pornô no início da carreira porque precisavam de dinheiro.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Cena do filme "Contra a Parede"

    Antes de bombar como a personagem Shea da série "Game of Thrones", a alemã Sibel Kekilli trabalhou em diversos filmes pornográficos. Ela era conhecida pelo nome "Dilara". A carreira só engrenou em 2004 quando participou do filme "Contra a Parede", vencedor do Deutscher Filmpreis, o prêmio mais importante do cinema alemão.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Sasha Grey

    Sasha Grey, cujo nome verdadeiro é Marina Ann Hantzis, foi outra que largou a carreira pornô para estrelar filmes, digamos, mais sérios. Entre 2006 e 2011, ela trabalhou em mais de 200 produções pornôs, chegando a levar diversos prêmios do "Oscar do cinema pornográfico", o AVN Awards. Depois, ela participou de alguns filmes, entre eles "The Girl From The Naked Eye", em 2012, e "Open Windows" e "The Scribbler", ambos de 2014.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Simon Rex

    Antes de estrelar "Todo Mundo em Pânico 3, 4 e 5", "Super-Herói o Filme" e "Ligeiramente Solteira", Simon Rex protagonizou filmes de pornô gay conhecidos pelos nomes de "Young, Hard & Solo" e "Hot Sessions". Neles, o ator realiza atos sexuais, mas sem contracenar com outros atores.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Angelique Pettyjohn

    Shahna da série "Star Trek", a atriz americana Angelique Pettyjohn estrelou três filmes pornôs "Titillation", "Body Talk" e "Stalag 69", todos de 1982, após já ter uma carreira consolidada em Hollywood. Após a fase pornográfica, voltou a atuar nos filmes convencionais "Repo Man - A Onda Punk" e "Vale da Morte". Ela morreu jovem, aos 48 anos, de câncer no colo de útero.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Sunny Leone

    A canadense de ascendência indiana Sunny Leone começou no cinema pornô em 2001, tendo protagonizado dezenas de filmes. Em 2013, ganhou o prêmio de melhor cena "solo" de sexo no AVN Award. Largou o cinema adulto e ganhou projeção na Índia entrando na versão indiana do "Big Brother". O sucesso no programa abriu as portas para uma nova carreira em Bollywood, a indústria cinematográfica indiana.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Stallone em cena de filme pornô

    O eterno Rocky Balboa já se aventurou pelo cinema pornô. Em 1970, estrelou o "soft" "Garanhão Italiano", que narra a vida sexual de uma jovem nova-iorquina, Kitty (Henrietta Holm), e de seu namorado, Stud (Sylvester Stallone). O título original da produção era "The Party at Kitty and Stud's", mas depois, para aproveitar a carreira de sucesso de Stallone em Hollywood, ganhou novo título.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Traci Lords

    Nora Louise Kuzma, mais conhecida pelo seu nome artístico Traci Lords, trilhou na indústria pornô na década de 1980. Usando identidade falsa, ela atuou em mais de cem filmes adultos antes dos 18 anos. Fora do pornográfico, participou de filmes como a comédia "Pagando Bem, que Mal Tem"" e de séries de TV como "Gilmore Girls" e "Roseanne".

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Shu Qi

    A atriz Shu Qi, de Taiwan, começou no cinema pornô em Hong Kong, para onde se mudou aos 17 anos. Depois de deixar a indústria de entretenimento adulto, construiu fez sucesso em filmes como "Carga Explosiva", "A Assassina" e "União do Mal".

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Jackie Chan

    Antes de virar febre explorando as artes marciais em filmes como "A Hora do Rush", o chinês Jackie Chan participou, em 1975, da comédia pornô chinesa "All in The Family" ("Tudo em Família"). Nos anos 2000, ele admitiu que só entrou na onda porque precisava de dinheiro para sobreviver.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo