Filmes e séries

Kimmy Schimidt está de volta! 4 motivos para ver a nova temporada da série

Divulgação/Netflix
Kimmy (Ellie Kemper) vai para a faculdade na terceira temporada de "Unbreakable Kimmy Schimmdt", já disponível na Netflix Imagem: Divulgação/Netflix

Do UOL, em São Paulo

19/05/2017 13h39

A Netflix disponibilizou nesta sexta-feira (19) a terceira temporada da comédia "Unbreakable Kimmy Schmidt". Criada por Tina Fey e estrelada por Ellie Kemper, a atração mostra as aventuras de Kimmy, uma jovem do interior dos Estados Unidos, que após ser sequestrada e passar 15 anos em cativeiro, retorna para a sociedade e encontra uma nova vida e novos amigos em Nova York. 

Nos novos episódios, Kimmy decide entrar para a faculdade, mas ao mesmo tempo precisa lidar com o fantasma de seu sequestrador, o reverendo Richard Wayne Gary Waye (John Hamm), que volta a atormentá-la para que ela assine o divórcio.

 

4 motivos para ver:

  • Imagem: Divulgação/Netflix
    Divulgação/Netflix
    Imagem: Divulgação/Netflix

    O otimismo inabalável de Kimmy

    A disposição de Kimmy para enfrentar as situações mais adversas continua inabalável na terceira temporada. Problemas com o sequestrador? Ela resolve. Dilemas profissionais? Também. O otimismo da personagem sobra e proporciona momentos hilários. Como quando ela resolve incentivar Titus a encontrar um novo emprego em um show de puppets.

  • Imagem: Divulgação/Netflix
    Divulgação/Netflix
    Imagem: Divulgação/Netflix

    As versões de Titus para "Lemonade"

    A vertente musical de Titus está mais presente do que nunca na terceira temporada de "Unbreakable Kimmy Schmidt". Em crise no seu relaciomento com Mikey, ele resolve passar pelo processo do mesmo modo como sua diva inspiradora, Beyoncé, fez quando descobriu que foi traída: fazendo música. Ao longo da temporada, Titus não faz só uma, mas várias versões para as canções de "Lemonade".

  • Imagem: Divulgação/Netflix
    Divulgação/Netflix
    Imagem: Divulgação/Netflix

    Jon Hamm num papel cômico

    Recorrente nas duas primeiras temporadas de "Unbreakable Kimmy Schmidt", o reverendo Richard Wayne Gary Wayne está de volta, com Jon Hamm novamente o interpretando. Só que dessa vez o jogo virou. Desesperado para que Kimmy assine os papeis do divórcio, é ele quem se vê refém, já que orientada por Jacqueline, Kimmy decide se aproveitar do casamento e brigar para ficar com o (pouco) dinheiro de seu sequestrador.

  • Imagem: Divulgação/Netflix
    Divulgação/Netflix
    Imagem: Divulgação/Netflix

    A busca pela profissão ideal de Kimmy

    Kimmy Schmidt fazendo um teste vocacional é você na vida. Tomada de maneira fácil, a decisão de ir para a faculdade acaba se revelando um verdadeiro desafio para Kimmy, já que apesar de já ter tido vários empregos nas outras temporadas (babá e até Uber), ela ainda não descobriu sua verdadeira vocação. Spoiler alert: No começo da temporada ela está entre guarda de trânsito e filósofa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo