Cinema

Quase 10 grandes filmes que quase não foram feitos

Do UOL, em São Paulo

Problemas com roteiros, orçamento insuficiente, atores complicados e estúdios sem vontade de apostar quase fizeram com que alguns dos maiores clássicos da história do cinema nunca existissem. Quase. Felizmente, roteiristas, diretores e produtores conseguiram driblar os obstáculos e concretizar esses projetos que pareciam ousados ou complicados demais para saírem do papel. Conheça nove dessas histórias abaixo.

  • Divulgação

    "Bonequinha de Luxo" (1961)

    Apesar de parecer um filme tranquilo, com uma história envolvente e que garantiu o lugar de Audrey Hepburn em Hollywood, “Bonequinha de Luxo” teve, na verdade, sua produção prejudicada por disputas de egos, temperamentos e acessos de raiva – incluindo a intenção inicial de que Marilyn Monroe fizesse o papel de Holly Golightly. Depois de decidir que Hepburn era mais adequada, os produtores Richard Shepherd e Martin Jurow sofreram para convencê-la a aceitar o papel. Ela estava nervosa com a perspectiva de interpretar uma mulher de caráter questionável se preocupava de que isso fosse prejudicar sua imagem. Ela finalmente cedeu, mas não sem antes exigir algumas condições. Primeiro, ela queria que seu personagem fosse mais suave e não tão sexual. Em segundo lugar, exigiu a demissão do diretor John Frankenheimer para que um nome mais famoso garantisse certo sucesso ao filme. Blake Edwards assumiu o projeto. Além disso, toda a produção foi feita sob um rumor de que Truman Capote, escritor do romance que inspirou o filme, fosse contra Hepburn no papel. Ele teria preferido Monroe. Apesar dos egos, o filme nasceu.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    "Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança" (1977)

    Boa parte dos fãs da saga já conhece a história de como ela quase nunca existiu, por mais que seja difícil de acreditar. Como a ficção científica não era algo muito atrativo na época, os estúdios United Artists e Universal recusaram o roteiro original de George Lucas, considerando-o muito caro para um resultado que, aparentemente, seria catastrófico. O cineasta só conseguiria um contrato com a 20th Century Fox, e mais por uma confiança pessoal do que uma aposta em seu roteiro espacial. A primeira semana de filmagens, no deserto da Tunísia, foi interrompida por uma tempestade e numerosos problemas técnicos, incluindo figurinos e decorações com defeito. Eventualmente, o cronograma do filme atrasou algumas semanas e Lucas foi informado que, se ele não terminasse ou Star Wars em uma semana, a produção seria cancelada. O cineasta reorganizou a equipe e a separou em três unidades que trabalhavam sem parar para cumprir o prazo. Ele acabou sendo diagnosticado com hipertensão e exaustão, mas o filme saiu. Ainda bem.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    "Apocalypse Now" (1979)

    Um dos mais famosos “quase não aconteceu” da história do cinema, o filme de Francis Ford Coppola tem uma história incrível. “Apocalypse Now” foi originalmente imaginado como um filme de baixo orçamento, equipe pequena e filmado durante seis semanas. No fim, foram necessários 17 meses para filmar e Coppola acabou com mais de 200 horas de filmagens, que levaram mais de 3 anos para serem editadas. Coppola investiu toda a sua fortuna na realização do filme, que acabou com um orçamento de US$ 35 milhões – valor surreal para a época. Segundo consta, Marlon Brando apareceu no set no início das filmagens bêbado, com excesso de peso e sem se preparar para o papel. Ele ainda não tinha lido “Coração das Trevas”, livro de Joseph Conrad que inspirou o filme, e tinha odiado o roteiro de Coppola. No final, Coppola concordou que Brando poderia improvisar e houve um uso excessivo de sombras nas cenas para disfarçar as dobras que o ator portava. Além disso, o outro protagonista, Martin Sheen, sofreu um ataque cardíaco grave durante as gravações e teve rastejar por cerca de 400 metros para encontrar ajuda. Os problemas enfrentados com o roteiro, as filmagens, o orçamento, a produção e os vazamentos que quase destruíram a vida e a carreira de Coppola são contados em um documentário chamado “Francis Ford Coppola - O Apocalipse de Um Cineasta”, de 1991, que é dirigido pela esposa de Coppola, Eleanor.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    "Blade Runner" (1982)

    O roteiro de “Blade Runner”, inspirado no romance “O Caçador de Androides”, de Philip K. Dick, era tão interessante que o filme precisou ser regravado algumas vezes para que sua equipe o entendesse. Dick reprovou veementemente a primeira adaptação de seu livro, escrita por Robert Jaffe, e Hampton Fancher foi escolhido para tentar adaptar a história, que foi parcialmente aprovada em 1977. Depois disso, houve grande dificuldade para conseguir Ridley Scott a bordo do projeto. Ele já o havia recusado, mas depois de deixar a produção de “Duna” após a morte de seu irmão mais velho, “Blade Runner” parecia ser uma boa maneira de ocupar sua cabeça com outras coisas. Scott contratou David Peoples para reescrever o roteiro de Fancher e conseguiu aumentar o orçamento do filme de US$ 13 milhões para US$ 15 milhões. Pouco antes do início das filmagens, um patrocinador retirou todo o apoio financeiro – a maior parte do orçamento do filme. Sorte nossa que este acabaria sendo um movimento positivo, que ajudou o produtor Michael Deeley a conseguir US$ 21,5 milhões de três novas empresas diferentes.

    Imagem: Divulgação

  • Reprodução

    "De Volta Para o Futuro" (1985)

    O primeiro projeto de “Back to the Future” foi rejeitado pela Columbia Pictures, que o considerou "não sexual o bastante". Nos quatro anos seguintes, todos os estúdios procurados pelos roteiristas Robert Zemeckis e Bob Gale rejeitaram o filme. Eles até o apresentaram para a Disney, que não gostou do lance meio incestuoso entre mãe e filho. Gale e Zemeckis tiveram que pedir ajuda a Steven Spielberg, que fez o meio de campo com a Universal Pictures. Mas o problema seguinte foi conseguir estrela para o papel de Marty McFly. Sua primeira escolha sempre foi Michael J. Fox, mas ele tinha compromissos com programas de TV. O ator Eric Stoltz foi contratado em seu lugar, mas, a quatro semanas das filmagens, Zemeckis não aguentou ficar sem Fox e decidiu reformular o projeto. Stoltz saiu e um acordo foi feito para que Fox pudesse fazer as duas coisas – com um custo extra de US$ 3 milhões para a produção. Valeu a pena?

    Imagem: Reprodução

  • Divulgação

    "Batman" (1989)

    Atualmente, filmes baseados em histórias em quadrinhos são os maiores sucessos do cinema e os mais recentes trabalhos da franquia Batman estão entre eles. Mas houve um tempo em que os produtores pensaram que Batman não podia ser qualquer coisa que não fosse um super-herói de comédias pastelão e falsas escaladas em prédios. Quando Michael Uslan comprou os direitos para um filme do Batman em 1979, ele não conseguiu encontrar qualquer empresa interessada em produzi-lo. A ideia de Batman como um personagem sério era tão estranha na época que ninguém pensou que poderia render frutos e boa bilheteria. Demorou uma década para que Uslan finalmente encontrasse um financiador e distribuidor para o que viria a ser a versão Michael Keaton de Batman.

    Imagem: Divulgação

  • Reprodução

    "Toy Story" (1994)

    Uma data não muito comemorada na Pixar é a “sexta-feira negra”, que poderia ter sido o fim precoce de um dos maiores sucessos do cinema de animação da história. Em 19 de novembro de 1993, os animadores responsáveis pelo projeto apresentaram um curta para seus superiores da Disney, que gostariam de saber como seria aquele longa-metragem de sucesso. Mas os executivos não gostaram do que viram. Os personagens de Woody e Buzz Lightyear, segundo relatos da equipe, eram canalhas sarcásticos com mais cara de programa da MTV do que personagens de filmes infantis. A Disney deu três meses para que escritores e animadores pensassem em como reformular o projeto. Se a ideia não fosse muito melhor, o filme (e provavelmente todo o futuro da animação gráfica) seria descartado. Felizmente, a equipe da Pixar descobriu como criar personagens que agradariam tanto crianças como adultos e uma nova onda de animação nasceu baseada nisso.

    Imagem: Reprodução

  • Reprodução

    "Pequena Miss Sunshine" (2006)

    Michael Arndt vendeu o roteiro de “Little Miss Sunshine” para o produtor Marc Turtletaub por US$ 250 mil. Ele foi então apresentado a vários estúdios e acabou despertando o interesse da Focus Features. Mas eles queriam reescrever o filme dar o foco principalmente em Richard Hoover, o pai de família que seria interpretado por Greg Kinnear. Quando Arndt discordou disso, ele foi prontamente demitido e substituído. Quando o substituto já estava trabalhando há quatro semanas no novo roteiro, um novo chefe do estúdio chegou e Arndt foi restituído ao seu cargo – assim como a ideia original. Dois anos depois disso, a Focus Features desistiu de bancar os custos da pré-produção e “Pequena Miss Sunshine” foi abortado. Foi o produtor Turtletaub que comprou de volta os direitos do filme e pagou do próprio bolso o orçamento de US$ 8 milhões – dinheiro que acabaria indo para ele mesmo.

    Imagem: Reprodução

  • Divulgação

    "Jimmy’s Hall" (2015)

    O novato da turma entra na seleção por ter acabado de estrear no Brasil e por ter uma história de uma ajuda vinda do lugar menos esperado possível. O filme conta a história real de Jimmy Gralton, um líder comunista irlandês que desafiou a Igreja Católica questionando sua censura à liberdade de expressão. Gralton gerou discórdia ao inaugurar um galpão que servia de espaço para as pessoas debaterem, aprenderem e, sobretudo, dançarem. Avesso às novas tecnologias do cinema, o diretor Ken Loach se viu empacado na finalização de seu trabalho e pediu ajuda para terminar o filme, feito todo em formatos tradicionais, com rolos de filme em celulóide 35 mm. Curiosamente, quem o salvou foram os estúdios de animação gráfica Pixar, emprestando a ele o material analógico necessário. As dificuldades enfrentadas fizeram até Loach anunciar que aquele seria seu último trabalho – ideia que já foi repensada por ele.

    Imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo