Filmes e séries

Pixar celebra 25 anos de revolução na animação digital

Divulgação
Personagens do filme ''Toy Story 3 - 3D", da Pixar Imagem: Divulgação

01/07/2011 11h54

EMERYVILLE, EUA, 1 Jul 2011 (AFP) -Longe das colinas de Hollywood, a Pixar revolucionou em 25 anos a indústria do cinema, ao introduzir a digitalização no mundo da animação tradicional e ao se tornar um dos estúdios mais lucrativos da história com uma dezena de filmes.

Concebida dentro da empresa de efeitos especiais de George Lucas, a Industrial Light & Magic, a Pixar passou a andar com as próprias pernas quando foi comprada em 1986 por Steve Jobs, co-fundador da Apple.

Em agosto daquele ano, uma pequena luminária de escritório e uma bola, protagonistas do primeiro curta-metragem da Pixar, "Luxo Jr", revelaram que os computadores podiam oferecer novos horizontes no universo animado.

"A mescla de uma tecnologia em plena evolução e a criação artística resultaram em algo que nunca havia sido antes", afirmou à AFP Ed Catmull, um dos fundadores da Pixar, atualmente presidente da Pixar e dos estúdios Walt Disney Animation, desde que o império de Mickey Mouse comprou a Pixar, em 2006.

"Era como no início da Disney, quando o cinema era novo e a animação apenas começava, era uma revolução técnica. Walt sempre introduziu tecnologia de ponta em seus filmes", disse.

Em 1995, a Pixar lançou "Toy Story", o primeiro longa-metragem de animação realizado com imagens digitais na história do cinema. Dirigido por John Lasseter, o filme foi aclamado e arrecadou mais de 350 milhões de dólares no mundo.

"'Toy Story' foi o primeiro filme com imagens digitais no qual o público esqueceu que estava vendo imagens criadas pelo computador. Queria apenas saber o que aconteceria com Woody e Buzz Lightyear. Todo cineasta sabia que esta era uma vitória", explicou à AFP Tom Sito, um veterano animador.

Sito se formou na Disney ("Aladin", "A Pequena Sereia", "O Rei Leão", entre outros), também trabalhou na Dreamworks ("Shrek", "O Príncipe do Egito") e é professor da Faculdade de Animação da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles.

"Outros estúdios pioneiros na animação digital estavam lotados de engenheiros que se consideravam artistas amadores, e de outros verdadeiros artistas que tentavam compreender algo de informática", lembra.

"A Pixar preferiu criar uma divisão de engenharia de altíssimo nível de um lado e uma equipe com pessoas muito criativas do outro. Desta maneira, cada um pôde trabalhar em seu domínio", acrescentou Sito.

A estratégia rendeu ótimos frutos. Depois de "Toy Story", o estúdio lançou filmes que rapidamente se tornaram clássicos infantis ("Ratatouille", "Procurando Nemo", "Up - Altas Aventuras", "Monstros S.A", "Wall-E", entre outros), todas aclamadas pelo público.

Os filmes da Pixar acumularam até este ano mais de 6,5 bilhões de dólares e receberam um total 26 estatuetas do Oscar.

Em Emeryville, subúrbios de São Francisco, as instalações da Pixar são a imagem viva do sucesso: prédios novos, espaçosos, modernos, grandes jardins nos quais os funcionários praticam tai chi chuan matinal, instalações esportivas de primeira linha. Tudo disponível para que os trabalhadores interrompam o trabalho quando quiserem para reduzir o cansaço.

Na empresa de hierarquia discreta, o todo poderoso John Lasseter - atualmente diretor de criação da Pixar e da Disney - caminha com suas camisas havaianas e seus tênis esportivos brancos, e conversa com todos.

Para Ed Catmull, o segredo do sucesso da Pixar é um trabalho de autocrítica implacável.

"As pessoas que fazem cinema confundem às vezes fazer um filme com e fazer um grande filme. O objetivo não é chegar a fazer um filme, o objetivo é fazer um filme que atinja as pessoas".

"Todos dizem que a história é o mais importante. É verdade, mas o essencial é saber o que fazemos quando algo não sai bem. Na Pixar, apagamos e recomeçamos. Nos equivocamos, como todo mundo, mas não mostramos aquilo em que fracassamos".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
Topo