Filmes e séries

Spielberg promete "mistério, investigação e aventura" em sua adaptação de "Tintim" para o cinema

AP Photo/Gregory Bull
Steven Spielberg participa da apresentação de "As Aventuras de Tintim - O Segredo do Licorne", na Comic-Con (22/7/11) Imagem: AP Photo/Gregory Bull

14/09/2011 21h33

LOS ANGELES, EUA - O cineasta americano Steven Spielberg, cuja adaptação para o cinema de "Tintin" é um dos filmes mais esperados do ano, prometeu aos fãs do destemido repórter "mistério, investigação e aventura", e uma história de "amizade e lealdade".

Em um comunicado dos estúdios Paramount, que distribuem o filme, produzido pela Sony-Columbia, Spielberg conta que descobriu o personagem em 1981, por causa da estreia do filme "Os Caçadores da Arca Perdida". "Li uma crítica do filme em uma revista francesa, que citava Tintin", explica.

Spielberg, então, comprou um dos livros do personagem de Hergé. "Desde a primeira leitura, soube que Tintin e eu estávamos destinados a trabalhar juntos, de uma forma ou de outra", conta o cineasta.

Em 1983, Spielberg entrou em contato com Hergé, que pareceu animado para trabalhar com ele, mas o escritor morreu antes do encontro. A viúva, Fanny, liberou para o cineasta os direitos de levar o personagem para o cinema.

TRAILER DO FILME ''AS AVENTURAS DE TINTIM''

Spielberg demorou quase 30 anos para concluir o projeto, porque não queria um filme com atores de carne e osso ou um desenho animado. O diretor de "ET" esperou o desenvolvimento da tecnologia de "motion capture", em que os movimentos dos atores dão vida a personagens digitais por meio de sensores, como nas criaturas azuis de "Avatar".

"A interpretação através da captura de movimentos requer uma expressão maior dos sentimentos do personagem, de forma que buscamos atores naturalmente expressivos", conta Spielberg.

O britânico Jamie Bell (que interpretou "Billy Elliot" em 2000) foi escolhido para dar vida a Tintin, e Andy Serkis ("Gollum" de "O Senhor dos Anéis"), para encarnar o "Capitão Haddock". Daniel Craig (atual James Bond) será "Rackham, o Terrível".

Milu, o fiel amigo de quatro patas de Tintin, é o único personagem de cinema totalmente digital, baseado nas aventuras "O Caranguejo das Pinças de Ouro", "O Segredo do Licorne" e "O Tesouro de Rackham, o Terrível".

O filme, em 3D, foi produzido pelo diretor de "O Senhor dos Anéis", Peter Jackson, cuja empresa WETA Digital ficou responsável pelos efeitos especiais.

"As Aventuras de Tintin" estreará em 26 de outubro na Bélgica, terra natal do célebre personagem. Na América do Norte, a estreia está prevista para o Natal. No Brasil, o lançamento está agendado para 20 de janeiro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
Topo