Filmes e séries

Filme sobre a invenção do vibrador rouba a cena no Festival de Toronto

Reprodução
Cena do filme "Hysteria", de Tanya Wexler Imagem: Reprodução

16/09/2011 15h30

TORONTO, Canadá - Os vibradores viraram o tema dominante do Festival de Cinema de Toronto, após a estreia, na quinta-feira, de "Hysteria", filme que trata da invenção deste aparelho sexual, protagonizado por Maggie Gyllenhaal.

A película, uma comédia romântica da diretora americana Tanya Wexler, narra a verdadeira história de como dois médicos de Londres, interpretados por Hugh Dancy e Jonathan Pryce, auxiliados por um amigo fascinado por máquinas (Rupert Everett), chegaram a inventar o vibrador elétrico para tratar mulheres que, aparentemente, sofriam de histeria nos anos 1880.

Fisicamente esgotados com as massagens pélvicas que faziam em suas pacientes para aliviá-las de dores abdominais, eles inventaram um aparelho motorizado com o protótipo de um espanador giratório para acelerar o clímax. Sem querer, o resultado contribuiu também para a independência sexual das mulheres.

Wexler disse, durante entrevista coletiva, que durante as filmagens, a maioria das mulheres do elenco e a equipe tinham sua própria história sobre vibradores. "Foi estranho que todas dissessem que ficaram tímidas na primeira vez", contou a cineasta.

TRAILER DO FILME "HYSTERIA"

Inicialmente vendido como um dispositivo médico ou eletrodoméstico em lojas como Sears ou através de revistas como "Good Housekeeping", o vibrador logo se tornaria um "brinquedo sexual" e passou a ganhar nomes como a "varinha mágica Hitachi" ou "coelho", tornando-se disponível em sex shops.

"Agora é mais comum", contou Wexler. "Ainda assim, fazer piada sobre o vibrador é muito mais subversivo do que pornografia na internet", acrescentou.

Durante as filmagens, Wexler disse ter presenteado todos no set com vibradores. Ela confidenciou que os presentinhos provocaram um certo constrangimento no funcionário de controle de bagagens do aeroporto londrino de Heathrow.

"O oficial disse, 'você tem 20 ou 30 pequenos dispositivos eletrônicos na bagagem' e eu respondi, 'sim, são vibradores', ao que ele declarou, 'Siga adiante'", lembrou o cineasta. Gyllenhaal contou que, ao final das filmagens, ganhou um monte de vibradores de presente dos amigos.

Segundo Dancy, o que provocou mais risadas no filme foi "o fato de que os médicos (em 1880) diagnosticavam a sério uma doença não existente (a histeria) e faziam o que faziam sem nenhuma preocupação e sem ver nada de sexual nisso".

"É assombroso", comentou. O filme lembra ainda que os médicos continuaram diagnosticando mulheres com histeria ou excesso emocional difícil de lidar até 1952, quando a doença foi retirada dos textos médicos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo