Filmes e séries

Denzel Washington aposta na comédia em "Dose Dupla"

Reprodução
Mark Wahlberg e Denzel Washington em cena de "Dose Dupla" Imagem: Reprodução

Nova York, EUA

30/07/2013 11h16

 Vencedor de dois Oscar e identificado com papéis dramáticos, o ator americano Denzel Washington decidiu mudar aos 58 anos e encarar uma comédia de ação em "Dose dupla" (2 Guns), que estreia sexta-feira nos Estados Unidos.

Neste filme dirigido pelo islandês Baltasar Kormakur, Washington interpreta um agente da DEA (a agência antidrogas dos Estados Unidos) infiltrado em um cartel de drogas mexicano, juntamente com um agente do serviço de investigação criminal interpretado por Mark Wahlberg.

O papel significa um giro para o experiente ator, especialmente depois de seu último filme "Flight" (O voo, 2012), um drama no qual ele interpretou um piloto de avião com problemas de alcoolismo e drogas, e ganhou vários prêmios e uma indicação ao Oscar.

"Depois de 'Flight' estava à procura de algo mais divertido", declarou Washington durante uma coletiva de imprensa em um hotel em Nova York, no domingo.

"Então, quando eu li o roteiro e ouvi que Mark estava envolvido, eu disse 'Ok, podem ficar tranquilos, porque Mark não é apenas divertido, mas também durão", acrescentou, referindo-se a participação de Wahlberg.

No filme, Robert Trench (Washington) e Marcus Stigman (Wahlberg) desconfiam um do outro, até que finalmente percebem que seus chefes já não os apoiam e decidem trabalhar juntos para salvar suas vidas, em uma aventura cheia de ação e reviravoltas engraçadas.

"Para mim foi um novo território. É por isso que eu quis passear com alguém que conhece esta área melhor do que eu", disse Washington, que possui uma longa história, com a primeira aparição nas telas em 1975 e dois Oscar por "Tempos de glória (1989) e "Dia de Treinamento" (2001).

Wahlberg, mais acostumado a tais papéis como em "Three Kings" (Três Reis, 1999), Ted (2012) e o mais recente "Pain and Gain" (Sem dor, sem ganho, 2013), ressaltou a vontade de Washington em mostrar o seu lado mais divertido.

"Nós nos conhecemos há algum tempo. O que me surpreendeu foi a disposição de Denzel em tentar qualquer coisa", disse o ator de 42 anos de idade, também presente na coletiva de imprensa.

Por sua vez, o diretor Kormakur também destacou a versatilidade de Washington, conhecido por suas interpretações como o ativista afro-americano "Malcolm X", o boxeador Rubin "Hurricane" Carter, e o mafioso Frank Lukas.

"Ele se divertiu muito. Infelizmente, o mundo não teve a chance de ver seu lado tão divertido como deveria", disse o cineasta islandês, que já trabalhou com Wahlberg em "Contrabando" (2012).

"Dose Dupla" chega aos cinemas brasileiros em 30 de agosto.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Topo