Filmes e séries

Bertolucci diz achar que será lembrado como descobridor de jovens atrizes

Pascal Le Segretain/Getty Images
28.ago.2013 - O cineasta Bernardo Bertolucci, presidente do júri do Festival de Veneza, fala ao público do evento Imagem: Pascal Le Segretain/Getty Images

Los Angeles

12/11/2013 11h47

O cineasta italiano Bernardo Bertolucci disse acreditar que será mais lembrado pelo talento para descobrir jovens atrizes do que como diretor, afirmou em uma entrevista à AFP durante o festival de cinema AFI de Los Angeles, onde estreia a versão em 3D de "O Último Imperador".

"Isso não me importa", responde ao ser questionado como gostaria de ser recordado. "Meus filmes estão aí e as pessoas podem assistir".

"Mas às vezes sorrio ao pensar que serei mais recordado como um descobridor de jovens atrizes do que como diretor de cinema. Descobri tantas", completa o cineasta de 73 anos.

Bertolucci menciona Dominique Sanda, que, depois de atuar em "O Conformista", trabalhou em mais de 40 filmes; Maria Schneider, a atriz de "O último tango em Paris"; Liv Tyler, que ficou conhecida do grande público depois de "Beleza Roubada" (1996); e Eva Green, que estreou no cinema em "Os Sonhadores" (2003) e quatro anos depois virou 'Bond girl'.

Bertolucci recebeu a imprensa em uma cadeira de rodas no Hotel Roosevelt de Hollywood, sede do festival do American Film Institute (AFI), que funciona como um aquecimento para a temporada de prêmios.

O cineasta promove nos Estados Unidos a versão 3D de "O Último Imperador", que venceu nove prêmios Oscar e completa 25 anos de lançamento.

Bertolucci é diretor de vários clássicos do cinema, como "O Conformista" (1970), o então escandaloso "Último Tango em Paris" (1972), o relato político italiano "1900" (1976) e o romance africano "O Céu que nos Protege" (1990).

Mas Bertolucci não deseja fazer uma análise da carreira.

"Não olho para trás. Olho para o que tenho pela frente. Algumas vezes me equivoquei, mas todas as escolhas que fiz foram sinceras".

Decidido a falar do presente, menciona "Eu e Você", um drama sobre um adolescente que esconde em um porão. Lançado em Cannes no ano passado, o filme estreou em alguns países europeus ao longo do ano.

Também se refere a uma ideia ainda em gestação: a biografia do músico e assassino italiano Carlo Gesualdo.

"É uma história trágica e fascinante. Mas é difícil falar sobre projetos futuros porque estão em progresso, em minha mente e meu coração. Têm que amadurecer. Como o vinho".

Com um deslocamento lento e com uma voz rouca e baixa, Bertolucci expressa fascínio com o momento da televisão americana, em particular com a série já concluída "Breaking Bad".

"Os filmes ultimamente não são muito interessantes, enquanto as séries de televisão estão sendo extremamente interessantes. Estão recuperando uma forma, uma montagem e um ritmo, que não é - e desenha no ar uma espada cortando sequências - como nos filmes de ação".

"As séries estão recuperando o tempo que antes era usado nos filmes. Agora os filmes têm que ser de ação, mesmo quando não são de ação. Fazem isto com a montagem. E nas séries ainda podemos ver os personagens observando coisas, contemplando o céu", opina.

O italiano conta ainda que tentou usar o formato digital quando dirigia "Eu e Você", mas "a definição, o foco eram muito fortes, e eu queria que o filme tivesse uma qualidade impressionista".

"Em breve nós veremos filmes em um maço de cigarros ou em um relógio", brinca. "Seremos forçados a inventar histórias que se adaptem aos distintos formatos", completa.

Ao fim da entrevista, Bertolucci dá um conselho aos jovens diretores. "Se um jovem me perguntasse o que de mais importante deve fazer para iniciar uma carreira como diretor de cinema, diria que seja sincero e que siga o ritmo de seu coração. É importante ser completamente honesto no que se faz", diz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo