Filmes e séries

Filme sobre Mandela traça o destino excepcional de um ícone mundial

13/12/2013 15h29

"Mandela: Longo caminho para a liberdade", que estreia no Brasil este final de semana após ser exibido no final de novembro na África do Sul e nos Estados Unidos, é uma história fresca que traça o destino excepcional do ícone da luta contra o apartheid.

O filme, que foi muito bem recebido pelos sul-africanos, já é cotado para obter nomeações no próximo Oscar.

A morte de Mandela aos 95 anos, ocorrida na noite de 5 de dezembro, foi anunciada no momento da pré-estreia do filme em Londres, um evento com a participação de duas das filhas do Nobel da Paz.

Os atores britânicos Idris Elba, que interpreta Nelson Mandela, e Naomie Harris, na pele de Winnie Mandela, presentes em Londres, prestaram uma homenagem a ele, assim como o americano Morgan Freeman, que interpretou o líder sul- africano em "Invictus" de Clint Eastwood (2009).

Na estreia mundial no Festival de Toronto no início de setembro, a equipe havia declarado à imprensa a imensa responsabilidade que tinha sido realizar este filme baseado na autobiografia do ex-presidente, publicada em 1994.

"Isso porque Mandela foi capaz de fazer com que víssemos nele um modelo que ressoa no mundo inteiro e que ainda deve ressoar. Esta é a responsabilidade do filme que fizemos", revelou o roteirista William Nicholson.

"Nós tínhamos que ter certeza que tudo era autêntico", observou o diretor britânico Justin Chadwick, que se reuniu em várias ocasiões pessoas próximas ao ex-presidente e que filmou grande parte das cenas em Soweto.

O cineasta também confidenciou sua emoção ao pensar que, entre os figurantes do filme, "alguns estiveram presentes durante os discursos de Mandela para a multidão".



"Forças e fraquezas"

O produtor sul-africano Anant Singh, que obteve os direitos sobre o livro, detalhou em Toronto o longo processo para concluir o projeto.

"Há 25 anos eu escrevi para Mandela quando ele ainda estava na prisão para dizer-lhe sobre um projeto de filme. Ele me disse que primeiro gostaria de ver um filme sobre mim. E aqui nós estamos, 25 anos depois!"

Em seguida, ele tratou da questão da forma da narrativa. O roteirista e o diretor escolheram contar a construção gradual do personagem.

O filme de duas horas e meia, de estilo clássico e imagem meticulosamente tratada, começa na infância de Mandela na sua aldeia de etnia Xhosa. Em pouco tempo, vemos o advogado defendendo a causa dos negros e, em seguida, aproximando-se do ANC (Congresso Nacional Africano) , onde ingressou em 1943.

Depois chega o tempo das manifestações e ações, primeiro pacifistas e depois violentas, a detenção e prisão de Mandela em Robben Island, as negociações secretas com o governo até a sua libertação, em 1990, e sua eleição, em 1994, que abriu o caminho para a reconciliação.

É também o retrato de um homem que fez "sacrifícios incríveis" em sua vida particular e pessoal. "Eu tenho forças e fraquezas. Sou um homem comum", confessou Nelson Mandela, que era um marido infiel.

Idris Elba ("Círculo de fogo", "Prometheus"), incarna com grande humanidade e calor Mandela. Naomie Harris ("Operação Skyfall") restitui toda a determinação de Winnie Mandela, que também pagou um preço alto por seu compromisso. Uma das líderes da luta anti-apartheid, mais tarde se tornou uma figura controversa.

Nelson Mandela, muito doente, não viu o filme terminado, apenas algumas imagens no final de 2012, segundo Anant Singh. "Ele me disse: 'esse sou eu?' e, em seguida, começou a rir. Isso significava que ele tinha aprovado a escolha de Idris", Concluiu o produtor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Topo