Filmes e séries

Festival de Veneza exibe animação existencialista proibida para menores

De Veneza (Itália)

08/09/2015 16h04

O cineasta americano Charlie Kaufman apresenta nesta terça-feira (8), em Veneza, a animação "Anomalisa", um 'stop motion' baseado em uma obra teatral de sua autoria, um filme de animação proibido para menores por suas cenas de sexo ousadas entre bonecos.

O primeiro trabalho de Kaufman desde "Sinédoque, Nova York" (2008), que compete pelo Leão de Ouro, é um filme original com um tipo de humor negro na qual o espectador acaba esquecendo que tudo se trata de bonecos desenhados para entrar nas contradições da mente humana, seus desejos e frustrações.

"Detesto explicar os filmes", afirmou em Veneza o cineasta, que conseguiu executar seu projeto, lançado em 2012, graças à pagina de financiamento colaborativo online Kickstarter.

"Não quero que aqueles que financiam o filme intervenham nas minhas obras", afirmou o autor de "Quero ser John Malkovich", e que conta com uma série de colaboradores anônimos que apreciam, sobre tudo, sua escrita e genialidade, suas ideias e seu toque surrealista.

O brilhante roteirista de séries de televisão foi várias vezes indicado ao Oscar e levou a estatueta com "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças", sobre uma máquina que elimina da mente memórias dolorosas de um relacionamento terminado.

Embora "Anomalisa" seja protagonizado por bonecos com movimentos humanos, o filme parece menos labiríntico que outros do autor e o realismo é paradoxalmente a chave para entender a odisseia de Michael Stone, um homem neurótico e depressivo, como muitos de seus personagens, que faz palestras para motivar as pessoas que vivem uma vida monótona e vazia.

Ambientado em um hotel de luxo em Cincinnati, no filme, Michael seduz Lisa e descobre o amor por uma sensível e tímida jovem, o qual consuma com uma noite de sexo, uma das cenas mais originais projetadas até agora nesta edição do Festival de Veneza.

Um amor que, embora o revitalize e ilumine, rapidamente desmorona, trazendo-o de volta à sua realidade cinzenta.

Outro ponto alto do filme são as vozes das personagens, em particular a dos atores Tom Noonan e Jennifer Jason Leigh, quando, interpretando Lisa, canta uma versão de 'Girls Just Want to Have Fun', sucesso dos anos 1980 de Cindy Lauper.

"Gravar as cenas íntimas foi fácil, embora tenha sido delicado gravar as falas", admitiu Jason Leigh, durante a entrevista coletiva.

A fábula realista de Kaufman deixa um sorriso amargo e também é um olhar crítico aos pais da auto-ajuda, como se apresenta o protagonista Michael Stone, teórico da boa e sorridente atenção ao cliente em contradição com sua própria alma, seu mal-estar e seu lado obscuro.

"O que eu quero é que cada espectador viva sua própria experiência. O filme é do público", afirmou o cineasta, cuja obra foi generosamente aplaudida pela plateia de críticos, que este ano não conteve nem vaias, nem ovações a alguns dos 21 filmes participantes da competição.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo