Filmes e séries

Morte de Monicelli reaviva debate nsobre a eutanásia na Itália

Getty Images
Mario Monicelli participa de festival de cinema espanhol em imagem de setembro de 2008 Imagem: Getty Images

01/12/2010 14h55

ROMA - A morte do cineasta Mario Monicelli, que se suicidou na segunda-feira (29) ao jogar-se da janela de um hospital em Roma, gerou hoje discussões intensas na Câmara dos Deputados, onde os parlamentares realizavam uma homenagem ao "pai da comédia" italiana.

Walter Veltroni, ex-prefeito de Roma e ex-candidato ao cargo de premier pela centro-esquerda, deu início aos debates ao iniciar seu pronunciamento. O político considerou que Monicelli era um "artista anti-retórico e coerente", o que ficou comprovado em seu "último ato da vida".

"Mario viveu e não se deixou viver, assim como não se deixou morrer", enfatizou Veltroni, referindo-se ao fato de o diretor cinematográfico ter preferido lançar-se do quinto andar do hospital San Giovanni de Roma, onde estava internado com câncer terminal na próstata.

Aproveitando a ocasião, a deputada radical Rita Bernardini ressaltou, por sua vez, que a morte de Monicelli deveria fazer com que o Parlamento "refletisse sobre o modo pelo qual algumas pessoas, que não conseguem seguir em frente, se veem obrigadas a deixar suas vidas, ao invés de morrerem ao lado de seus entes queridos".

A parlamentar fez, assim, uma referência mais clara à eutanásia, que é proibida pela legislação italiana e que fez com que as discussões esquentassem na sede do Legislativo.

Ao comentar o tema, a democrata-cristã Paola Binetti pediu o "fim dos avisos em favor da interrupção da vida, partindo do caso de homens desesperados, porque Monicelli havia sido deixado pela família e pelos amigos, e o seu foi um gesto de enorme solidão, não de liberdade".

Em outro momento, o presidente da República italiana, Giorgio Napolitano, que mais cedo visitou a câmara ardente com os restos mortais do diretor, considerou que "Monicelli se foi com uma última e forte manifestação de sua personalidade, uma vontade que devemos respeitar".

Mario Monicelli nasceu no dia 15 de maio de 1915, na cidade de Viarregio, na Itália. Ele iniciou sua carreira como cineasta em 1934, quando dirigiu o curta-metragem "Cuore Rivelatore".

A partir de 1953, atuando na direção sozinho, tornou-se um mestre de um gênero de comédia, pontuando em seus filmes problemas da sociedade da época.

Ele dirigiu mais de 60 longas-metragens e escreveu mais de 80 roteiros. Entre outros, venceu o Leão de Ouro de 1959, a máxima premiação do Festival Internacional de Veneza, com seu filme "A Grande Guerra".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Topo