Filmes e séries

Festival de Veneza teve Al Pacino, James Franco e prévia do Oscar; relembre

De Veneza (Itália)

08/09/2014 15h54

Qual será o legado e as coisas mais importantes a serem lembradas do 71º Festival de Veneza? O evento foi marcado pela presença de astros como Al Pacino e James Franco e mostrou uma prévia de filmes que podem estaConfira os cinco principais fatos para se lembrar do evento que terminou no último sábado (6).

Cinco fatos inesquecíveis do Festival de Veneza

  • Imagem: Ian Gavan/Getty Images
    Ian Gavan/Getty Images
    Imagem: Ian Gavan/Getty Images

    O superstar Al Pacino

    Ele foi a grande estrela de Veneza. Ficou no evento durante quase três dias com dois filmes ("The Humbling", de Barry Levinson, e "Manglehorn", de David Gordon Green), dois tapetes vermelhos, duas coletivas de imprensa e inúmeros coquetéis após os eventos. Apesar da agenda corrida, o ator atendia a todos com muita cordialidade.

  • Imagem: Claudio Onorati/EFE
    Claudio Onorati/EFE
    Imagem: Claudio Onorati/EFE

    O 'conjunto' James Franco

    James Franco foi um verdadeiro camaleão no Festival. No evento para divulgar seu novo filme, "Zeroville", ele foi o 'cinema no cinema' ao se apresentar careca, com tatuagem falsa, camisa desabotoada e com óculos Ray Ban. Não era possível separar o personagem do ator. Um dos raros momentos de adrenalina na Mostra de Cinema.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    On the Bride's Side

    O que falar do filme que mostrou um cortejo nupcial sírio-palestino aplaudido por vários minutos? O filme, que venceu três prêmios por uma belíssima história, foi feito por três corajosos autores para ajudar um grupo de imigrantes a chegar na Suécia. E não passou despercebido por culpa de uma dezena de noivas que estavam vendo o filme e causaram os aplausos mais emocionados do Festival.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Prévia do Oscar

    O azarão que sempre ocorre entre Veneza e o Oscar: o evento mostrou em primeira-mão o filme que deve ser o astro da noite de premiação norte-americana: "Birdman", de Alejandro Gonzalez Iñárritu. O filma conta com um elenco gigantesco encabeçado por Michael Keaton e abriu o Festival aprovado unanimemente pelo público e pela crítica. Porém, foi ignorado pelo júri guiado por Alexandre Desplat.

  • Imagem: AFP
    AFP
    Imagem: AFP

    Nova sala Darsena

    A Mostra deste ano será relembrada também pela volta da sala Darsena, com 1,4 mil lugares, completamente renovada e confortável. A estrutura está cheia de luz - que entra no espaço através dos vitrais decorados externamente. Belíssima.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo