Cinema

Com três filmes na programação, Festival de Veneza dá espaço raro ao Brasil

Divulgação
Cena do filme "Mate-me por Favor", da diretora Anita Rocha da Silveira imagem: Divulgação

Lucas Rizzi

De São Paulo

Com três filmes brasileiros em cartaz, começa na próxima quarta-feira (2) a 72ª edição do Festival de Cinema de Veneza, considerado um dos mais importantes do mundo.  

O maior país da América Latina estará representado pelos longas "Mate-me por Favor", de Anita Rocha da Silveira, e "Boi Neon", de Gabriel Mascaro, e pelo curta-metragem "Tarântula", de Aly Muritiba e Marja Calafange.   

Todos eles participam da mostra "Horizontes", criada em 2004 para premiar produções símbolos de "novas tendências estéticas e expressivas", sem distinguir gênero ou duração. Ainda que nenhum dos três esteja na disputa pelo cobiçado Leão de Ouro - o prêmio mais importante entregue pela Biennale -, o número representa um raro espaço dado pelo festival ao cinema do Brasil.   

Dos mais de 40 países presentes na mostra, apenas seis contam com mais produções: Estados Unidos, México, Reino Unido, França, Bélgica e, naturalmente, Itália. "Desde 2011 nem entrava filme brasileiro em Veneza [em 2014, o curta de animação "Castillo y el armado", de Pedro Harres, participou da "Horizontes"]. Ter três neste ano é algo para comemorar muito", diz Anita Rocha da Silveira, que conseguiu ser selecionada logo em seu longa de estreia, "Mate-me por favor".

Ambientada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, a obra tem como pano de fundo uma série de assassinatos de jovens mulheres e mostra como adolescentes do bairro convivem com essa onda de crimes. "Eles se fascinam, o adolescente quer sempre estar no limite", conta a jovem diretora, formada em cinema em 2008 pela PUC-Rio.   

Anita foi para Veneza ao lado de mais 10 pessoas da equipe de "Mate-me por favor", muitas delas companheiras de classe da cineasta na faculdade e também estreantes em longas-metragens.   

"A galera está muito empolgada, torrando as economias. Esperamos ser bem recebidos e que outros festivais também se interessem", acrescenta. 

Seu filme estreia na mostra em 9 de setembro, às 14h45 (horário local), e também será reproduzido no dia seguinte. Antes dele, na próxima quinta-feira (3), segundo dia de evento, acontece a exibição do curta "Tarântula", fruto da colaboração entre Aly Muritiba e Marja Calafange.   

Divulgação
Cena do curta paranaense Tarântula, selecionado para o Festival de Veneza imagem: Divulgação

"Foi uma surpresa, nós fizemos a inscrição do filme tentando uma chance, mas não parecia algo tangível. É um trabalho pequeno, não é pretensioso", afirma o cineasta baiano. A obra relata a vida de uma família de mulheres que vive em um casarão isolado e é perturbada pela chegada de um homem.   

O filme, como tantos trabalhos hoje em dia, nasceu graças às redes sociais. Após ter visto um teaser de uma produção de Muritiba, Marja entrou em contato com ele pela Internet e os dois começaram a trocar ideias. Um dia, ela enviou uma foto intrigante que mostrava uma menina de castigo virada para a parede ao lado de suas bonecas, que também pareciam estar sob punição. A partir daí, os dois desenvolveram uma história sobre culpa, cuidado, ausência e proteção.   

"Vai ser a première mundial do filme, seu primeiro termômetro.   

Ele nunca foi exibido publicamente, espero que as pessoas se conectem. Ele tem elementos do folclore brasileiro, quero ver como o público gringo vai sentir isso", ressalta Muritiba.   

A mostra "Horizontes" concede cinco prêmios: melhor filme, melhor direção, melhor ator/atriz, melhor curta-metragem e prêmio especial do júri, que é formado por Jonathan Demme, Anita Caprioli, Fruit Chan, Alix Delaporte e Paz Vega.   

Na disputa pelo Leão de Ouro destacam-se as produções e coproduções europeias, incluindo quatro italianas: "Sangue del mio sangue" ("Sangue do meu sangue"), de Marco Bellocchio; "A bigger splash" ("Um mergulho maior"), de Luca Guadagnino; "L'attesa" ("A espera"), do estreante Piero Messina; e "Per amor vostro" ("Pelo seu amor"), de Giuseppe Gaudino.

Divulgação
Juliano Cazarré em cena do filme "Boi Neon", selecionado para o Festival de Veneza imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo