Filmes e séries

Com três filmes na programação, Festival de Veneza dá espaço raro ao Brasil

Divulgação
Cena do filme "Mate-me por Favor", da diretora Anita Rocha da Silveira Imagem: Divulgação

Lucas Rizzi

De São Paulo

31/08/2015 21h24

Com três filmes brasileiros em cartaz, começa na próxima quarta-feira (2) a 72ª edição do Festival de Cinema de Veneza, considerado um dos mais importantes do mundo.  

O maior país da América Latina estará representado pelos longas "Mate-me por Favor", de Anita Rocha da Silveira, e "Boi Neon", de Gabriel Mascaro, e pelo curta-metragem "Tarântula", de Aly Muritiba e Marja Calafange.   

Todos eles participam da mostra "Horizontes", criada em 2004 para premiar produções símbolos de "novas tendências estéticas e expressivas", sem distinguir gênero ou duração. Ainda que nenhum dos três esteja na disputa pelo cobiçado Leão de Ouro - o prêmio mais importante entregue pela Biennale -, o número representa um raro espaço dado pelo festival ao cinema do Brasil.   

Dos mais de 40 países presentes na mostra, apenas seis contam com mais produções: Estados Unidos, México, Reino Unido, França, Bélgica e, naturalmente, Itália. "Desde 2011 nem entrava filme brasileiro em Veneza [em 2014, o curta de animação "Castillo y el armado", de Pedro Harres, participou da "Horizontes"]. Ter três neste ano é algo para comemorar muito", diz Anita Rocha da Silveira, que conseguiu ser selecionada logo em seu longa de estreia, "Mate-me por favor".

Ambientada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, a obra tem como pano de fundo uma série de assassinatos de jovens mulheres e mostra como adolescentes do bairro convivem com essa onda de crimes. "Eles se fascinam, o adolescente quer sempre estar no limite", conta a jovem diretora, formada em cinema em 2008 pela PUC-Rio.   

Anita foi para Veneza ao lado de mais 10 pessoas da equipe de "Mate-me por favor", muitas delas companheiras de classe da cineasta na faculdade e também estreantes em longas-metragens.   

"A galera está muito empolgada, torrando as economias. Esperamos ser bem recebidos e que outros festivais também se interessem", acrescenta. 

Seu filme estreia na mostra em 9 de setembro, às 14h45 (horário local), e também será reproduzido no dia seguinte. Antes dele, na próxima quinta-feira (3), segundo dia de evento, acontece a exibição do curta "Tarântula", fruto da colaboração entre Aly Muritiba e Marja Calafange.   

Divulgação
Cena do curta paranaense Tarântula, selecionado para o Festival de Veneza Imagem: Divulgação

"Foi uma surpresa, nós fizemos a inscrição do filme tentando uma chance, mas não parecia algo tangível. É um trabalho pequeno, não é pretensioso", afirma o cineasta baiano. A obra relata a vida de uma família de mulheres que vive em um casarão isolado e é perturbada pela chegada de um homem.   

O filme, como tantos trabalhos hoje em dia, nasceu graças às redes sociais. Após ter visto um teaser de uma produção de Muritiba, Marja entrou em contato com ele pela Internet e os dois começaram a trocar ideias. Um dia, ela enviou uma foto intrigante que mostrava uma menina de castigo virada para a parede ao lado de suas bonecas, que também pareciam estar sob punição. A partir daí, os dois desenvolveram uma história sobre culpa, cuidado, ausência e proteção.   

"Vai ser a première mundial do filme, seu primeiro termômetro.   

Ele nunca foi exibido publicamente, espero que as pessoas se conectem. Ele tem elementos do folclore brasileiro, quero ver como o público gringo vai sentir isso", ressalta Muritiba.   

A mostra "Horizontes" concede cinco prêmios: melhor filme, melhor direção, melhor ator/atriz, melhor curta-metragem e prêmio especial do júri, que é formado por Jonathan Demme, Anita Caprioli, Fruit Chan, Alix Delaporte e Paz Vega.   

Na disputa pelo Leão de Ouro destacam-se as produções e coproduções europeias, incluindo quatro italianas: "Sangue del mio sangue" ("Sangue do meu sangue"), de Marco Bellocchio; "A bigger splash" ("Um mergulho maior"), de Luca Guadagnino; "L'attesa" ("A espera"), do estreante Piero Messina; e "Per amor vostro" ("Pelo seu amor"), de Giuseppe Gaudino.

Divulgação
Juliano Cazarré em cena do filme "Boi Neon", selecionado para o Festival de Veneza Imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Topo