Filmes e séries

Filme italiano é aplaudido por sete minutos em Veneza

05/09/2015 19h30

O filme "L'attesa" ("A espera"), longa-metragem de estreia do cineasta italiano Piero Messina, foi aplaudido por sete minutos neste sábado (5), em sua primeira projeção ao público na 72ª edição do Festival de Cinema de Veneza.  

A produção conta a história de Anna - interpretada por Juliette Binoche -, uma mulher enlutada que vive isolada no interior da Sicília e acolhe a namorada do seu filho, Jeanne (Lou de Laâge), embora ele não esteja em casa. As duas passam os dias à espera de Giuseppe (Giovanni Anzaldo), que promete voltar na Páscoa.  

Comovido pela recepção do público, Messina abraçou emocionado as estrelas do filme, que marcaram presença no tapete vermelho de Veneza. Ex-assistente de Paolo Sorrentino, o cineasta é tido como uma espécie de "sucessor" do vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro por "A grande beleza", embora ele negue esse rótulo.  

"Esse longa tem uma característica visual importante. Mas dizer que é um filme à la Sorrentino por causa das imagens é superficial", disse o jovem diretor de 34 anos. Segundo ele, "A espera" nasceu de suas recordações de infância e de uma história contada por um amigo.  

"Um pai, após a morte do filho, decidiu não falar tanto sobre isso, até que, em certo ponto, os que estavam ao seu redor também fingiam que aquele fato nunca tinha acontecido", contou.  

Mais cedo, durante a exibição para a imprensa, a produção havia sido recebida com menos entusiasmo pelos jornalistas, ainda que com alguns aplausos.  

"A espera" é o primeiro dos quatro filmes italianos na disputa pelo Leão de Ouro a ser exibido em Veneza. Os outros são: "Sangue del mio sangue" ("Sangue do meu sangue"), de Marco Bellocchio; "A bigger splash" ("Um mergulho maior"), de Luca Guadagnino; e "Per amor vostro" ("Pelo seu amor"), de Giuseppe Gaudino.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo