Filmes e séries

Paris ganha 'templo dos filmes mudos' com pianista tocando ao vivo

Coleção Jérôme Seydoux-Pathé
A Fundação Jerôme Seydoux-Pathé possui também ainda um centro de pesquisas e de documentação na área de cinema. Imagem: Coleção Jérôme Seydoux-Pathé

Do UOL, no Rio

21/09/2014 18h22

Para os fãs de cinema, a boa notícia é a abertura de uma fundação dedicada aos primeiros passos da sétima arte. Já chamada de "templo dos filmes mudos", a Fundação Jerôme Seydoux-Pathé em Paris, na França, reúne um dos mais importantes acervos mundiais de filmes, câmeras, fotografias e dezenas de milhares de documentos que traçam a história da indústria cinematográfica nos últimos 120 anos No local há uma uma sala de cinema, onde são exibidos diariamente sobretudo filmes mudos, com acompanhamento ao vivo de um pianista, como ocorria há mais de um século (a sessão custa 6 euros, cerca de R$ 18).

A Pathé e a Gaumont, fundadas no final do século 19 e compradas pela família Seydoux, são as mais antigas produtoras e distribuidoras de filmes do mundo ainda em atividade.De 1896 aos dias de hoje, a Pathé produziu mais de 10 mil filmes. Grandes clássicos do cinema, como os filmes La Dolce Vita, de Federico Fellini, e o Guepardo, de Luchino Visconti, estrelado por Burt Lancaster, Alain Delon e Claudia Cardinale, foram co-produzidos pela companhia francesa.
 
Os irmãos Pathé, que criaram um império cinematográfico com estúdios e salas de cinema, também desenvolveram inúmeros equipamentos para projeção de filmes e câmeras, além de formatos de películas. Entre os cerca de 200 aparelhos exibidos permanentemente na fundação, criados entre o final do século 19 e os anos 1980, há o "Pathé Baby", um pequeno projetor com manivela, lançado em 1922, "ancestral" do home theater para ver filmes em casa. Todo esse acervo está exposto na galeria de equipamentos, onde também o visitante pode conferir em tabletes, filmes que mostram as diferentes técnicas cinematográficas.
 
A coleção reúne ainda 500 mil fotografias tiradas em sets de filmagens a partir de 1897, além de milhares de documentos, desenhos, livros sobre cinema e centenas de roupas e outros objetos usados em filmes.
 
Exposição de pôsteres pequenos
 
Atualmente, uma exposição em cartaz até 4 de novembro apresenta uma coleção de pôsteres de pequenos filmes produzidos entre 1906 e 1907, na época em que as projeções eram apresentadas em circos. Parte dessas ilustrações – litografias realizadas sobre pedra – foram criadas pelo sergipano Candido Aragonez de Faria, nascido em 1849. Ele se instalou na França em 1882 e foi o principal ilustrador da Pathé entre 1902 e 1911, ano de sua morte. "Para cada filme, mesmo os mais curtos, era criada uma ilustração", afirma Sophie Seydoux, presidente da fundação que conta em seu acervo 4,5 mil pôsteres, desenhos e maquetes.
 
A Fundação Jerôme Seydoux-Pathé possui ainda um centro de pesquisas e de documentação na área de cinema.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo