Filmes e séries

Furio Scarpelli, roteirista brilhante da comédia italiana, morre aos 90 anos

28/04/2010 10h55

Roma - O roteirista italiano Furio Scarpelli, autor junto com Agenore Incrocci, conhecido com Age, de clássicos da "comédia à italiana", morreu hoje aos 90 anos. Por trás das dezenas de filmes que deram origem ao gênero nos anos 50 e 60 estava a dupla de roteiristas Scarpelli e Age, que morreu em 2005. Os dois colaboraram com diretores como Dino Risi e Mario Monicelli.

Scarpelli nasceu em 1919 e começou a trabalhar como ilustrador para revistas de humor, onde conheceu Age, que se tornaria um grande amigo e parceiro de profissão. A intensa relação profissional começou em 1949, quando assinaram o roteiro do filme "Totò Procura Casa".

Juntos escreveram os roteiros dos filmes mais representativos da comédia italiana como "La Banda degli Onesti" (1956), dirigido por Camillo Mastrocinque; ou "Nata di Marzo"(1957), de Antonio Pietrangeli.

Também assinou roteiros de sucesso internacional como "Os Eternos Desconhecidos" (1958), "A Grande Guerra" (1959) ou "O Incrível Exército de Brancaleone" (1966), dirigidos por Mario Monicelli; além de "A Marcha sobre Roma" (1962), "Os Monstros" (1963) ou "Em Nome do Povo Italiano" (1971), de Dino Risi. Scarpelli e Age foram, além disso, roteiristas de "Nós que nos Amávamos Tanto" (1974) de Ettore Scola; ou "Três Homens em Conflito" (1966), de Sergio Leone.

Seu sucesso foi tamanho que em 1964 o diretor Alfred Hitchcock entrou em contato com a dupla para pedir ideias para um novo filme, que não foi produzido. A importância de Scarpelli foi resumida pelo diretor Paolo Virzi, quando disse "que o cinema italiano e todo o país devem muitíssimo a sua figura".

"Um mestre do roteiro, o principal artífice da melhor comédia à italiana, o autor das histórias dos filmes mais populares, intensos, divertidos e inteligentes do cinema italiano", segundo Virzi.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo