Filmes e séries

Jude Law diz ter mudado de ideia sobre cinema 3D ao trabalhar com Scorsese

Getty Images
Jude Law comparece a uma recepção para a imprensa dos indicados ao Tony, em maio Imagem: Getty Images

05/07/2010 12h21

Karlovy Vary, R.Tcheca - O ator britânico Jude Law confessa que mudou de idéia sobre o cinema 3D após trabalhar em um projeto com o diretor Martin Scorsese. "Eu não era o maior admirador do 3D. Pensava que era uma armadilha", disse hoje o ator que foi a Karlovy Vary, na República Tcheca, para receber o "President's Award" do festival de cinema do balneário. Law ironizou o que considerava o motivo de sua rejeição a essa nova tecnologia. "Nunca encontrei óculos cômodos para o 3D", disse.

Scorsese começou a filmar o longa-metragem "A Invenção de Hugo Cabret", obra homônima de Brian Selznick, em 3D. O filme é protagonizado, entre outros atores, por Law, que começa o seu trabalho em setembro. Na segunda metade do ano, o ator deve começar a filmar também "Sherlock Holmes 2", de Guy Ritchie, e "Contagion", do americano Steven Soderbergh.

Law, de 38 anos, que dedicou boa parte de sua carreira a interpretar papéis de época, confessou que se sente mais à vontade em papéis ambientados nas primeiras décadas do século 20, sobretudo por causa do "vestuário". O ator, indicado ao Oscar duas vezes, lembrou, além disso, o impacto que teve em sua trajetória "O Talentoso Ripley" (1999), e que lhe permitiu, sobretudo, descobrir o diretor britânico Anthony Minghella, falecido recentemente. Mas aquele filme "foi o princípio do fim da rodagem desse tipo de filmes, com um tema complicado, frente à acentuada tendência comercial de nossos dias", apontou, após expressar seu desejo de voltar a esse gênero.

Sobre o futuro do cinema, Law apontou a "ascensão" do cinema independente em países da Europa Central e Leste, e concretamente na Sérvia. Law destacou também sua satisfação pelo "entusiasmo e a participação" do público no festival tcheco, que celebra sua edição número 45 e que termina no próximo sábado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo