Filmes e séries

"Predadores" retoma clássico, com Adrien Brody no comando e Alice Braga no elenco

Divulgação
Adrian Brody e Alice Braga estão em "Predadores", que estreia nos EUA nesta sexta (9) Imagem: Divulgação

09/07/2010 16h56

Antonio Martín Guirado

LOS ANGELES, EUA - Depois de 23 anos da estreia de "O Predador", um clássico do terror contemporâneo, Robert Rodriguez, em sua faceta de produtor, reviveu a franquia com um filme protagonizado por Adrien Brody, cuja ação transcorre no planeta dessa criatura alienígena.

ASSISTA AO TRAILER DE "PREDADORES"

"O Predador" (1987), de John McTiernan, é um dos títulos mais populares da filmografia de Arnold Schwarzenegger, além de ser uma das obras de ficção-científica mais consideradas pela crítica e pelo público nos últimos 25 anos. Três anos mais tarde, estreou "Predador 2 - A Caçada Continua", e posteriormente "Alien vs. Predador" (2004) e sua sequência (2007).

"Predadores", que estreia nesta sexta (9) nos Estados Unidos e chega aos cinemas brasileiros no dia 23, conta com uma ideia original de Robert Rodriguez, que recuperou para a ocasião um roteiro que ele mesmo escreveu em 1994, para a FOX. "Tive que modificá-lo muito porque aquela história era para Schwarzenegger", disse o cineasta à Agência Efe. "Tudo girava a seu ao redor".

Desta vez, a ação se desenvolve na selva de um planeta desconhecido, no qual vivem os predadores e onde estes usam os seres humanos para aperfeiçoar suas técnicas de caça e testar seus métodos. Adrien Brody, em seu primeiro papel como super-herói, é o líder de um grupo de mercenários que deve unir forças para sobreviver. "O filme é realmente emocionante", comentou. "Tive que passar por uma enorme transformação física, mas este era o objetivo: fazer algo que nunca fiz até agora", apontou.

O ator de 37 anos tem a consciência que seu personagem será comparado ao de Schwarzenegger no filme original. "É algo inevitável. Aquele personagem é mais ícone", manifestou o intérprete. "Trabalhei muito duro. Seis dias por semana, várias horas ao dia, em meu aspecto físico. Mas também no emocional. Queria criar alguém respeitável", explicou.

Brody considera que o filme captura o tom, a escuridão e a "força visceral" e leva a história "a outro nível". No elenco, também estão: Topher Grace, Laurence Fisburne, Walton Goggins, Danny Trejo, Oleg Taktarov, Mahershalalhashbaz Ali, Louis Ozawa Changchien e a brasileira Alice Braga, a única mulher que aparece no filme. "Alice tem uma grande força e humanidade. Desde que a vi em 'Eu Sou a Lenda', soube que trabalharia com ela algum dia", comentou Rodriguez.

"Eu saía para ver o que estavam fazendo e me deparava com predadores caminhando pela garagem e tomando refrigerantes. Foi uma grande experiência", comentou Rodriguez entre risos, que assegurou que se este filme tiver uma boa bilheteria possibilitará novas realizações no futuro. "Se esta funcionar, eu terei o prazer de repetir. Portanto, se as pessoas gostarem, faremos mais", concluiu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo