Filmes e séries

Apesar de ameaças, Bollywood lança filme sobre Osama bin Laden

Reprodução
No filme indiano "Tere Bin Laden", um terrorista fajudo concede entrevista Imagem: Reprodução

16/07/2010 11h10

NOVA DÉLHI, ÍNDIA (EFE) - Um Osama bin Laden de araque será o personagem central da mais nova produção do mundo do cinema indiano de Bollywood, com a polêmica história de um criador de frangos que finge ser o terrorista mais procurado do mundo, que estreará hoje, apesar de ameaças.

A história do filme "Tere Bin Laden" ("Sem você, Laden", na tradução livre) se passa na cidade de Karachi, no sul do Paquistão, e conta a história de um jornalista que tenta vender uma entrevista falsa com Bin Laden para conseguir entrar nos Estados Unidos.

"Não é uma biografia, mas uma sátira. Queria mostrar o mundo após o 11 de setembro da perspectiva das pessoas normais. E usei um símbolo do terrorismo, mas dando a ele uma nova cara. É hora de usar o humor", disse à Agência Efe, em Mumbai, o diretor do filme, Abhishek Sharma.

Cansado de ter seus pedidos de visto negados pelo EUA, o jornalista, interpretado pelo cantor paquistanês Ali Zafar, conhece por acaso um criador de frangos muito parecido fisicamente com Bin Laden. Os dois se juntam para montar uma entrevista sobre a suposta presença do terrorista mais procurado do mundo na cidade, para ser enviada depois a canais americanos com o objetivo de aproveitar sua segura notoriedade na mídia e conseguir, finalmente, ter acesso ao país.

"A ideia foi muito incomum. Me fez doer a cabeça e amarrei um lenço para que passasse. Como tinha barba, minha mulher fez piada e disse que eu me parecia com Bin Laden. E isso me fez pensar: por que não fazer algo?", afirmou Sharma, que reescreveu o roteiro várias vezes.

Bin Laden é objeto de contínuas sátiras durante o filme, que causou polêmica. A produtora WalkWater Media recebeu uma carta anônima com ameaças de "consequências" se o filme estreasse.

E no Paquistão, onde a produção foi obrigada a retirar a palavra "Laden" do título, um comitê de censura decidiu na terça-feira proibir o filme, como medo de que estimule ataques terroristas.

"Não acho que seja ofensivo. Não estamos glorificando ninguém. Com a sátira, você pode dizer certas coisas que não poderia dizer no cinema sério", se defendeu Sharma, que apresentou um recurso contra a decisão e espera que os paquistaneses "se divirtam".

"Sem você, Laden" estreia na Índia, no Reino Unido, na Austrália e em outros países com forte presença de emigrantes indianos, mas surpreende a ausência na lista dos Estados Unidos. "Primeiro queremos ver a resposta nessas outras regiões", afirmou o diretor.

Embora no cinema indiano predominem as histórias de amor e os filmes de ação, nos últimos anos vem tomando força o gênero da comédia, com enredos que buscam conectar com os gostos da nova classe média.

O trailer do filme mostra o Bin Laden de araque dedicando-se a criar frangos, tentando parecer convincente imitando os trejeitos do terrorista e aprendendo como manusear um fuzil Ak-47.

Além disso, a sátira é um exemplo dos novos caminhos que os produtores de Bollywood vêm tomando, cujos filmes são normalmente longos e sentimentais musicais. "A audiência está cansada das mesmas caras, da velha fórmula", disse o diretor.

A estreia do filme de Sharma coincide com o lançamento de "Lamhaa" ("Momento", na tradução livre), uma visão da violência na região da Caxemira que foi proibida em vários países do Oriente Médio. A pré-estreia de "Lamhaa" ia ser realizada na parte indiana da região da Caxemira, disputada entre Índia e Paquistão desde sua divisão, em 1947, mas os produtores mudaram de ideia para não causar polêmica entre a população.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo