Filmes e séries

Morte de Gregory Peck completa 10 anos; relembre a trajetória do ator

REUTERS/Paramount Pictures/Handout
Audrey Hepburn beija Gregory Peck em cena de "Roman Holiday", de 1953 Imagem: REUTERS/Paramount Pictures/Handout

Magdalena Tsanis

Com sua quietude e estilo sóbrio, Gregory Peck foi o perfeito galã da Hollywood dos anos dourados, mas também uma referência moral para o cinema americano, que elevou seu advogado Atticus Finch, de "O Sol é para Todos", como seu maior herói de todos os tempos.

Nesta quarta-feira (12) se completam dez anos da morte do ator que trocou a carreira de Medicina em Berkeley pela interpretação em Nova York, uma mudança para a qual contribuiu sua avó, que o levava ao cinema todos os finais de semana durante sua infância de filho de divorciados.

O papel de advogado que defende um jovem negro acusado injustamente de estupro no filme dirigido por John M. Stall em 1962 valeu a Peck seu único Oscar e lhe caiu como uma luva em um momento em que sua recepção pela crítica não passava por seus melhores dias.

Sua identificação com o papel foi total e a própria Harper Lee, autora do romance no qual o filme foi baseado, assegurou que Atticus Finch deu a Peck a oportunidade de interpretar a si mesmo.

Em 2003, o American Filme Institute (AFI) o elegeu como o maior herói do cinema americano, na frente de Indiana Jones.

Provas da faceta comprometida do ator, além da tela, foram seu ativismo na luta contra a aids, a presidência da Sociedade Americana do Câncer e sua participação nos protestos contra a Guerra do Vietnã, contra as armas nucleares ou em favor dos direitos civis.

Embora Gregory Peck tenha entrado para a História como esse homem bom e aprazível, o certo é que na tela encarou também papéis mais obscuros, como o irmão canalha de Joseph Cotten no western "Duelo ao Sol" (1946) ou o psicopata amnésico atendido por Ingrid Bergman em "Quando Fala o Coração" (1945), de Alfred Hitchcock.

Para alguns esta faceta não pareceu totalmente convincente. François Truffaut reprovou Hitchcock em seu famoso livro-entrevista ao alegar que Peck não era um ator realmente 'hicthcockiano': "É oco e não tem olhar", disse.

Apesar de tudo, voltou a trabalhar com o diretor britânico em "Agonia de Amor" (1947), desta vez na pele de um advogado que se apaixona por uma cliente. E também retornou aos papéis de "vilão", como o criminoso nazista Josef Mengele em "Os Meninos do Brasil" (1978), no qual a indicação ao Oscar como Melhor Ator foi para seu companheiro de elenco, Laurence Olivier.

Talvez o personagem que o público mais carregue na memória seja o jornalista e perfeito cavalheiro que se apaixona pela princesa interpretada por Audrey Hepburn em "A Princesa e o Plebeu" (1953), que foi também sua primeira comédia romântica.

Embora o papel tivesse sido escrito para Cary Grant, este o rejeitou com o argumento que a então desconhecida Audrey era jovem demais para ser sua companheira de cena, embora dez anos depois atuado juntos em "Charada".

Curiosamente, durante a filmagem de "A Princesa e o Plebeu" foi Peck quem, recém separado de sua primeira esposa, se apaixonou por uma jornalista, a francesa Veronique Passani, que havia lhe pedido uma entrevista para o jornal "France-Soir".

Dois anos depois se casaram e não se separaram até a morte de Peck em Los Angeles, no dia 12 de junho de 2003, quando tinha 87 anos. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
Topo