Filmes e séries

Brad Pitt abre Festival de Cinema de Moscou com "Guerra Mundial Z"

De Moscou (Rússia)

20/06/2013 16h56

O ator americano Brad Pitt levou seu novo filme, "Guerra Mundial Z", à abertura da 35ª edição do Festival Internacional de Cinema de Moscou nesta quarta-feira (20).

Pitt, que apareceu no tapete vermelho vestido rigorosamente de preto da cabeça aos pés, mostrou uma paciência enorme com seus vários fãs, em sua maioria garotas, que o esperavam na porta do cinema Rossia.

Os repórteres lhe perguntaram sobre o estado de sua mulher, Angelina Jolie, que se submeteu recentemente a uma dupla mastectomia preventiva de câncer de mama.

Depois, Pitt dedicou alguns minutos para distribuir autógrafos e tirar fotos com vários adolescentes, que lotaram a praça Pushkin, no coração de Moscou.

O astro de Hollywood, que no novo filme enfrenta uma invasão de zumbis, estava acompanhado do diretor de "Guerra Mundial Z", Marc Forster. Pitt vem ao Brasil no dia 24 de junho para divulgar a produção.

No filme, uma guerra mundial entre humanos e mortos-vivos, Pitt, um funcionário das Nações Unidas, enfrenta um dilema: salvar o mundo ou sua família.

Pitt, que volta ao cinema de ação após vários anos protagonizando filmes mais introspectivos, já apresentou o filme em Nova York, Londres, Berlim e Sydney.

O festival moscovita - um dos mais antigos do mundo, já que sua primeira edição aconteceu em 1935, embora só aconteça anualmente desde 1995 - projetará 364 filmes, sendo 126 curtas-metragens.

"Moscou se transforma de novo na capital mundial do cinema. Isso significa que para os vários fãs do cinema começa uma festa muito esperada", assegura uma nota de Vladimir Putin, presidente russo, lida por seu ministro da Cultura, Vladimir Medinski.

Em seu primeiro dia, o festival homenageou o diretor francês de origem grega Costa-Gavras - agraciado com o Oscar três vezes -, que confessou que o cinema russo o inspirou em sua juventude a se dedicar à direção.

No programa oficial para o concurso estão 16 filmes, muitos deles realizados por diretores estreantes.

O filme brasileiro "A Memória que me Contam" de Lúcia Murat sobre a nostalgia da juventude concorre no certame.

O festival, dirigido pelo cineasta russo Nikita Mijalkov, termina no dia 29 de junho com a coprodução russo-francesa para televisão "Rasputin", protagonizado por Gérard Depardieu, cidadão russo desde janeiro.

Brad Pitt apresenta filme de zumbis em Moscou

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo