Filmes e séries

Mostra em Bruxelas retrata intimidade de Antonioni, mestre do cinema moderno

EFE
Cena de "A Aventura", com Lea Massari e Gabriele Ferzetti Imagem: EFE

Arnau Cuesta Bruxelas

Uma exposição que reflete o retrato íntimo profissional e vital do cineasta italiano Michelangelo Antonioni, elo entre o neorrealismo e o cinema moderno, chega pela primeira vez a uma cidade fora de sua Itália natal.

O Palácio de Belas Artes de Bruxelas recebe pela primeira vez uma mostra sobre o célebre diretor de filmes como "Deserto Vermelho" (1964), "Blowup - Depois Daquele Beijo" (1966) e "Zabriskie Point" (1970), que serão projetados paralelamente na Filmoteca da Bélgica.

A exposição "Michelangelo Antonioni: o mestre do cinema moderno" reúne extratos de filmes, fotografias, objetos pessoais, artigos de imprensa, roteiros originais, correspondência e também alguns quadros que o próprio cineasta (1912-2007) pintou.

O cineasta não se afasta demais das salas de cinema, já que a Filmoteca começou esta semana a programar seus filmes até o dia 30 de agosto, com o apoio da Cinemateca di Bologna, graças à qual poderão ser vistos 19 filmes e sete curtas-metragens.

O conservador da Filmoteca, Nicola Mazzanti, destacou à Agência Efe a marca deixada pelo diretor italiano na história do cinema, com quem "termina o movimento neorrealista e se dá o passo rumo ao cinema moderno", ao qual o próprio Antonioni representa e que tem em Ingmar Bergman outro de seus grandes expoentes.

Especialmente famosa é sua trilogia existencial, composta por "A Aventura" (1960), "A Noite" (1961) e "O Eclipse" (1962), para os quais contou com sua atriz fetiche, a italiana Monica Vitti, com quem manteve uma relação amorosa durante toda a filmagem.

Mazzanti admitiu que o primeiro filme da série "mudou a paisagem do cinema de autor, embora então o tenham acusado de matar o cinema".

Também estão programados dois documentários e duas conferências para aprofundar ainda mais o papel de Antonioni como pioneiro do cinema moderno, que sucedeu o estilo de diretores como Luchino Visconti, Roberto Rossellini, Vittorio De Sica e Federico Fellini.

No entanto, Mazzanti reconheceu que a figura de Antonioni é muito menos conhecida que a de outros diretores italianos como Fellini, o que atribuiu ao fato de que sua obra é "mais complicada", já que "requer muito mais trabalho e atenção".

Michelangelo Antonioni iniciou sua carreira cinematográfica justamente pelas mãos de Rosselini (1906-1977) e Fellini (1929-1993), para quem escreveu os roteiros de seus respectivos filmes "Un pilota ritorna" (1942) e "Abismo de um sonho" (1952).

Embora durante a década de 1940 tenha feito alguns documentários e curtas de ficção, apenas nos anos 50 o cineasta deu o salto aos longas-metragens, embora ainda fortemente influenciado pelo neorrealismo italiano.

Antonioni demoraria ainda dez anos em desenvolver um estilo verdadeiramente próprio que, de certo modo, deixava de lado a narração e os diálogos para concentrar-se em grande medida nos cenários, caracterizados pela sensação de solidão, silêncio e irrealidade, dentro dos quais evoluem personagens em crise.

"Ele, mais que nenhum outro cineasta italiano de sua geração, esteve atento aos aspectos do mundo contemporâneo, seu mundo contemporâneo, e a maneira na qual evoluía rumo a mais abstração, mais vazio", explicou o curador da exposição, Dominique Païni, em um vídeo divulgado pelo Palácio de Belas Artes de Bruxelas.

Não em vão, o diretor italiano transformou a alienação do homem dentro do mundo moderno em uma constante temática dentro de toda sua obra, à qual se somaram os problemas de comunicação e as dificuldades sociais de sua época.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo