Filmes e séries

Homenageado no Cine Ceará, Marcos Palmeira relembra trajetória no cinema

AgNews
Marcos Palmeira é homenageado no festival de cinema do Ceará Imagem: AgNews

15/09/2013 10h06

Um dos homenageados da 23ª edição do Cine Ceará, ao lado da portuguesa Maria de Medeiros, o ator Marcos Palmeira relembrou sua trajetória cinematográfica neste sábado em Fortaleza e revelou que carrega um desejo latente de ir para trás das câmeras e dirigir seu próprio filme.

"Sou um ator palpiteiro, gosto de me meter no trabalho do diretor. Já tive, inclusive, a experiência de dirigir duas cenas na novela 'Irmãos Coragem', mas ainda não me sinto seguro para dirigir um filme. Sorte que o tempo está ao meu lado", declarou o ator de 50 anos, que receberá hoje o Troféu Eusélio Oliveira, na noite de encerramento do festival de cinema ibero-americano.

O homenageado da noite sempre respirou cinema. Filho da produtora Vera de Paula e do renomado diretor cearense Zelito Viana, Marcos Palmeira estreou como ator com apenas cinco anos de idade, em 1968, no filme "Copacabana Me Engana", de Antonio Carlos da Fontoura.

Depois da estreia precoce, o ator - "com 45 anos de carreira", como ele mesmo brinca - participou de diversas produções, como "Villa-Lobos - Uma Vida de Paixão" (2000), "Dom" (2003), "O Homem que Desafiou o Diabo" (2007) e, mais recentemente, "Vendo ou Alugo" (2013), da sua irmã, Betse De Paula.

"Sou muito intuitivo, gosto de dizer 'sim' para vários projetos. E, como tenho um jeito bem brasileiro, posso fazer desde o playboy da cidade como o sujeito do campo", declarou o ator, que também lembrou os três anos que conviveu com índios durante a adolescência e foi batizado por eles como Tsiwari, que significa "sem medo".

"Nessa época cheguei a trabalhar pra Funai, no Museu do Índio, e pensava em ser indigenista. Mas foi essa convivência que me fez optar por seguir a carreira de ator. Como eu não falava a língua deles e nem eles a minha, eu atuava muito para mostrar como era a vida na cidade. Foi uma época de grande aprendizado", comentou.

O Brasil talvez tenha perdido um competente diretor da Funai, mas ainda hoje o ator continua ligado a questões indígenas e mantém um forte ativismo em diversos projetos de alimentação orgânica espalhados pelo Brasil, tudo paralelo à carreira cinematográfica e na televisão, onde participou de produções antológicas como "Vale Tudo", "Irmãos Coragem", "Renascer" e "Pantanal".

No final da coletiva em Fortaleza, o ator fez questão de evocar a figura de outro grande cearense fundamental na construção de sua carreira: o humorista Chico Anysio, seu tio.

"Eu era um sobrinho chato, do tipo que pedia pra ele fazer todas as imitações, mas o tio Chico sempre me estimulou demais e me deu dicas que trago comigo até hoje. Sem dúvida, foi um dos grandes mestres na escola da minha vida", afirmou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo