! Coppola recupera máquina de escrever de "Apocalipse Now" após 35 anos - 15/10/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Coppola recupera máquina de escrever de "Apocalipse Now" após 35 anos

Yuya Shino/Reuters
O diretor americano Francis Ford Coppola em entrevista coletiva do 25º Praemium Imperiale Imagem: Yuya Shino/Reuters

Tóquio (Japão)

15/10/2013 10h16

O cineasta americano Francis Ford Coppola recebeu nesta terça-feira (15) uma surpresa em Tóquio: a máquina de escrever que ele deixou há 35 anos na capital japonesa quando gravava o filme "Apocalipse Now" e que o ajudou a finalizar sua obra.

Durante uma entrevista coletiva para falar sobre um prêmio que recebeu no país asiático, a dona de um hotel de Tóquio, no qual Coppola se hospedou após rodar cenas do filme nas Filipinas, apareceu e entregou o objeto.

O diretor explicou que utilizou a máquina enquanto tentava dar sentido ao material que tinha acumulado durante as gravações, nas quais teve que lidar com problemas econômicos, o ataque cardíaco de seu protagonista e tufões que destruíram os cenários.

"Estava deprimido e em meio a um desastre financeiro, portanto vim ao Japão para pensar e escrever", afirmou.

Boa parte da entrevista coletiva girou em torno daquela etapa de sua carreira, na década de 1970, quando também produziu "O Poderoso Chefão" (1972), "A Conversação" (1974) e "O Poderoso Chefão II" (1974).

"Essa época agora é vista como uma fase impressionante da minha carreira. Mas todos esses filmes, inclusive "O Poderoso Chefão", foram recebidos com ceticismo. Na verdade, não me dei conta de que tinha sobrevivido a esse período até 15 ou 20 anos depois", lembrou.

"Muitos me perguntam: 'Por que seu filmes não são mais tão bons quanto antes?'. Para ser sincero, não importa o que eu faça agora, não saberei realmente como meu trabalho foi recebido até que se passem 15 ou 20 anos", acrescentou.

Coppola explicou que ao completar 60 anos, em 1999, ele decidiu que não queria mais competir com seu "próprio trabalho anterior" e voltou a ser um "estudante" para rodar três filmes "pequenos e raros": Velha Juventude (2007), "Tetro" (2009) e "Twixt" (2011).

Dessa forma, ele disse pretender "matar o diretor de todos os filmes anteriores para fazê-lo renascer".

"Esse é o processo no qual estou atualmente. Quando as pessoas me perguntam no que estou trabalhando agora não tenho vontade de contar porque seria uma conversa de cinco horas de duração", afirmou ao se mostrar esperançoso em relação ao futuro do cinema.

"Nem tudo já foi inventado. Ainda há muitas e excitantes fronteiras para serem rompidas!", explicou no discurso oferecido junto com o restante dos ganhadores do Praemium Imperiale 2013.

Os premiados desta última edição são, além de Coppola, o pintor italiano Michelangelo Pistoletto, o escultor britânico Antony Gormley, o arquiteto, também britânico, David Chipperfield e o tenor espanhol Plácido Domingo, que não pôde comparecer à entrevista.

  • Marlon Brando em cena de "Apocalipse Now", de Coppola

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Topo