Filmes e séries

Sem novo filme em vista, David Lynch se dedica a difundir meditação

Kevin Winter/Getty Images
O cineasta David Lynch Imagem: Kevin Winter/Getty Images

Da EFE, em Madri

15/10/2013 15h17

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (15) em Madri, o cineasta David Lynch deixou sem resposta a pergunta mais repetida durante o Festival de Cinema, Arte e Música Rizoma: o cinema perdeu de vez o inquietante e transgressor diretor de "Estrada Perdida"?

"Escrevi alguma coisa, e estou contente com o resultado", disse Lynch aos jornalistas, "mas sempre há a necessidade de fazer melhor. Não sei qual será o próximo [projeto] que vou fazer, mas as ideias fluem", acrescentou.

Seu último longa-metragem, "Império dos Sonhos" estreou em 2006 e representou sua ruptura definitiva com a indústria, enquanto recebeu as críticas mais extremas que o tachavam ou de obra-prima, ou de "enorme estupidez".

Nos últimos anos a criatividade do autor da série de TV "Twin Peaks" foi mais visível no cenário musical - em maio de 2012 publicou seu segundo álbum de pop eletrônico - embora de vez em quando também publique curtas em seu site.

Sua visita a Madri tinha como objetivo o encerramento do Festival de Cinema, Arte e Música Rizoma com uma palestra sobre meditação transcendental, que vai dar hoje no Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia e da qual também falará amanhã em um encontro com estudantes da Universidade Carlos III.

Se os ingressos para a palestra se esgotaram em uma hora, na Universidade havia filas intermináveis para comprá-los.

A meditação transcendental (MT) é uma técnica com marca registrada introduzida no Ocidente por Maharishi Mahesh Yogi - o mesmo que iniciou os Beatles - é a porta, segundo Lynch, ao desfrute "sem limites" da "paz, do amor, da energia".

Ao praticá-la, "a negatividade desaparece, a ansiedade, a tristeza, o ódio, a raiva, o medo, o desespero, diminuem cada vez mais", disse.

Lynch começou a praticar em 1973 após escutar uma frase que venceu seu ceticismo inicial: "A verdadeira felicidade não está no exterior, mas no interior de cada um".

Em duas semanas, contou, "a raiva e a depressão começaram a sumir" e as ideias, a fluir com maior liberdade.

Lynch quer atrair sobretudo os jovens, explica a organização do festival, mas não deixou de arregimentar jornalistas: "Vai meditar amanhã?", perguntou a um antes que ele pudesse fazer sua pergunta.

De terno preto, camisa branca abotoada até o último botão e seu topete característico, o diretor alçado à fama em 1977 gesticulava bastante enquanto tentava explicar por que a MT, e não outras formas de meditação.

"Só a meditação transcendental consegue fazer a pressão sanguínea diminuir", ressaltou, "todas as outras, zero". "Quando você consegue transcender, todo o cérebro.. bum!", repetiu várias vezes, imitando uma explosão.

Embora Lynch pratique a meditação há 40 anos, foi em 2005, quando criou uma fundação para arrecadar dinheiro destinado a promover o acesso a essa prática, não religiosa, convencido de que com isso contribuiria para estender a paz no mundo.

Isso ocorreu depois de visitar na Holanda o próprio iogue Marishi, com quem fez um curso de iluminação de um mês, prévio pagamento de US$ 1 milhão, segundo o "New York Times".

Se até então Lynch era reticente ao falar em público, após essa visita e a criação da fundação começou a viajar, dar conferências pelo mundo e tentar fazer o possível para que a MT fosse mais do que um luxo ao alcance de poucos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo