! Sexo em filme chama mais atenção porque fiz Harry Potter, diz Radcliffe - 17/10/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Sexo em filme chama mais atenção porque fiz Harry Potter, diz Radcliffe

Divulgação
Cena de "Kill Your Darlings", com Daniel Radcliffe Imagem: Divulgação

Antonio Martín Guirado

17/10/2013 11h43

O ator britânico Daniel Radcliffe apostou por se distanciar pouco a pouco de seu célebre papel como Harry Potter, mas agora decidiu enterrá-lo totalmente não por arte da magia, mas com um personagem homossexual em "Kill Your Darlings", onde protagoniza uma cena de sexo que deu muito o que falar.

Teaser de "Kill Your Darlings"

"Estou satisfeito pela cena e, principalmente, de como mostramos uma vulnerável perda da virgindade nesse contexto", explicou o intérprete recentemente durante a apresentação em Los Angeles do filme, que chegou ontem aos cinemas americanos.

"É uma cena a mais. Não fiquei louco pelo fato de ter que fazê-la com um homem. Sou um ator e esse é meu trabalho, portanto não é tão importante, embora para os demais pareça. Acho que recebe tanta atenção devido a minha carreira e ao fato de que interpretei Harry Potter", comentou.

"Kill Your Darling", estreia de John Krokidas na direção, gira em torno da chamada Geração Beat, baseando-se nas raízes da histórica rebeldia de escritores como Allen Ginsberg, Jack Kerouac e William Burroghs, cujas ações ficaram marcadas para sempre pelo assassinato em 1944 de David Kammerer, um amigo em comum.

O elenco conta ainda com Dane Dehaan, Michael C. Hall, Ben Foster e Jack Huston.

Radcliffe interpreta um tímido Ginsberg a caminho da autodescoberta na Universidade de Columbia, um portal rumo à arte, cultura e liberdade, que abraça de forma obsessiva com a ajuda de Lucien Caar, o jovem com o qual descobre uma vida repleta de emoções novas salpicadas de jazz, drogas e sexo.

O filme narra a viagem empreendida por Ginsberg desde que abandona o lar de seus pais em Patterson (Nova Jersey) até o momento no qual começa a escrever seu célebre poema "Howl".

Para o ator de 24 anos, foi simples ver similitudes entre seu personagem e ele, especialmente o dilema de "negociar a diferença entre o que é e o que quer ser, ou o que acha que quer ser e o que as pessoas esperam que seja", especialmente quando se trata de qualquer passo que dá em sua carreira após Harry Potter.

Já em 2007 e com 17 anos, o ator levantou certa polêmica com sua aparição na peça teatral "Equus", em Londres, onde aparecia nu e encenava um ato sexual. Naquela ocasião, Radcliffe encenava um jovem que desenvolvia uma obsessão religiosa e sexual com os cavalos.

O ator também ficou nu em filmes como "The F Word" e "Horns", exibidos no recente Festival Internacional de Cinema de Toronto, e provou com sucesso o terror em "A Mulher de Preto" (2012).

"Chama muito a atenção o fato de escolher material adulto porque estive em filmes voltados para o público jovem com Harry Potter. Mas simplesmente faço o que acho que a maioria dos atores faz: construir uma carreira variada e diversa. Acho que não vale a pena aceitar um papel se não há nenhum desafio nele", declarou.

O desafio nesta ocasião era trabalhar em um ambiente novo, longe do calor da equipe com a qual rodou desde o ano 2000 os oito filmes da saga de Harry Potter.

"Rodei 'A Mulher de Preto' na Inglaterra, com gente que já conhecia porque a equipe de Harry Potter está repleta de ingleses, portanto vir aqui era um passo decisivo para mim. Devia me encontrar e começar de novo. Me ensinou uma nova forma de trabalhar", disse.

Radcliffe ouviu falar deste projeto pela primeira vez em 2009, mas teve que renunciar a ele em um primeiro momento já que as datas de filmagem coincidiam com as das últimas duas partes da saga Harry Potter.

Por sorte, para ele, o financiamento de "Kill Your Darlings" encontrou problemas e o atraso fez com que finalmente pudesse aceitar o papel.

"Me alegrei em parte com esse atraso porque não se pode esconder que o roteiro é muito melhor do que a maioria dos que circulam por aí", declarou o ator, que admitiu que seus agentes não se opõem em absoluto a esta nova direção que está tomando sua trajetória.

"Não tenho o que falar com eles. Não me pressionam. Não me forçam a fazer nada. São pessoas sensíveis e reconhecem um roteiro brilhante quando o veem", concluiu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo