Cinema

Abertura do Festival de Vitória tem vaias a políticos e "terrir" capixaba

Comemorando 20 anos de cinema, o Festival de Vitória começou ontem, segunda-feira (28), na capital capixaba mantendo a vocação para vitrine de curtas-metragens e entre vaias a políticos locais e um banho de sangue cênico do ovacionado filme de terror local "Mar Negro".

A cerimônia, aberta às 19h no galpão Estação Porto, ao lado do cais da cidade, reuniu centenas de cinéfilos, cineastas, produtores, atores e curiosos de todo tipo que prestigiaram a 20ª edição de um dos festivais mais tradicionais do país.

A atriz e cantora Letícia Persiles e o ator Anderson Müller foram os anfitriões e subiram ao palco para apresentar, além do filme "Casaca", do diretor homenageado da noite, Orlando Bonfim, os cinco curtas da mostra "Foco Capixaba".

Antes, porém, entre discursos de realizadores e patrocinadores, a voz das manifestações populares dos últimos meses pareceu ecoar entre o público de cerca de 500 pessoas: ao subirem ao palco, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), receberam sonoras vaias da multidão.

Os apresentadores tentaram esfriar os ânimos: "Gente, é um festival de cinema", disse Müller. Pouco depois, o secretário de cultura do estado, Maurício Silva, reverteu a situação e recebeu os aplausos da plateia ao anunciar o lançamento do novo edital de longa-metragem de ficção em mídia digital no valor de R$ 1 milhão.

As críticas também miraram a imprensa. No palco, o executivo de um jornal patrocinador do evento ouviu o grito "mídia mentirosa!" de um homem na plateia.

Passados os desabafos e as saias-justas, vieram os curtas da mostra competitiva: "Sinal Vermelho" (de Naiara Bolzan e Cristina Margon); "Nêga do Ébano" (Valentina Krupnova); "Fragma" (Eduardo Moraes); "Reikwaapa" (Ricardo Sá e Wera Djekupe) e "O Congueiro do Santo Preto", de Fábio Carvalho.

Organizadora e filha da diretora-geral do festival, Larissa Del Bone comentou à Agência Efe as principais mudanças do evento nas últimas duas décadas: "Cresceu muito. De três anos para cá, houve uma mudança na proposta do festival, com mais cuidado com curadoria, novas mostras como a Quatro Estações (LGBT) e a Capixaba".

Larissa e sua mãe, Lucia Caus, sonham alto: "O circuito internacional é um desejo, e uma escola de formação audiovisual nos moldes da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, no Rio, é um projeto para os próximos 20 anos" revela a advogada e produtora do evento.

Em entrevista à Efe, por sua vez, o governador Casagrande defendeu o investimento em cinema em seu governo "nos últimos três anos investimos R$ 9 milhões e, no festival, R$ 900 mil".

A noite foi fechada sob o aguardado banho de sangue falso de "Mar Negro", primeiro longa capixaba a concorrer ao Troféu Marlin Azul, do vitoriense Rodrigo Aragão, que subiu ao palco para apresentar o filme sob forte ovação geral.

"Essa vitória de concorrer de igual para igual é muito boa. A gente (Vitória) não é pior do que ninguém", desabafou, empolgado, o cineasta local.

Rodrigo, que disse ter usado "1,5 mil litros de sangue falso" e não ter contado com patrocínio algum, apenas com o apoio de "um produtor que perde dinheiro comigo há 10 anos", fez a plateia gargalhar com os efeitos especiais toscos "que eu mesmo fiz" e as falas hilárias de personagens (e interpretações) sempre caricatos.

Questionado pela Efe sobre por que somente na 20ª edição um diretor capixaba chegou à mostra competitiva, o governador evitou fazer críticas: "É o lado negativo do festival. Mas não vou julgar o investimento dos governos anteriores, vamos olhar para frente", concluiu.

A história do vírus de um peixe bizarro, que contamina uma aldeia de pescadores e transforma quem o come em zumbi, prendeu o público até o fim e é o último capítulo da trilogia de "terrir" (mistura de terror e comédia) de Aragão, inaugurada por "Mangue Negro" e seguida por "A Noite do Chupacabras".

Depois de algumas décadas, Zé do Caixão parece ter encontrado um herdeiro à altura.

O Festival de Vitória acontece até o próximo sábado, 2 de novembro e, de acordo com a produção, espera atrair um público de 10 mil pessoas. Todas as atrações são gratuitas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
UOL Entretenimento
EFE
EFE
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Erratas
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
EFE
do UOL
EFE
Reuters
Reuters
do UOL
do UOL
AFP
AFP
EFE
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Reuters
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Cinema
Reuters
do UOL
Reuters
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
BBC
do UOL
Topo