Filmes e séries

"Depois da Chuva" retrata Brasil cético dos anos 1980 no Festival de Vitória

Reprodução
Cena de "Depois da Chuva", de Cláudio Marques e Marília Hughes Imagem: Reprodução

30/10/2013 03h09

No segundo dia do Festival de Vitória, ocorrido nesta terça-feira (29), os curtas de animação e o ceticismo do Brasil de meados dos anos 1980 se destacaram no galpão Estação Porto da capital capixaba.

A programação foi aberta pela manhã no Hotel Senac Ilha do Boi, onde diretores dos filmes exibidos na segunda-feira debateram com um pequeno grupo sobre o que motivou suas obras e as técnicas e dificuldades para transformar ideias em cinema.

Mais tarde, às 14h30, o Teatro do Sesi recebeu a mostra "Festivalzinho", de filmes infantis e voltada aos alunos da rede pública de Vitória. Ao todo, até o fim do festival, cerca de 3,5 mil estudantes devem participar do evento.

Em seguida, à 15h, a Mostra Competitiva Nacional de Curtas projetou oito animações: "Doutor, Meu Filho é Animador", de Marcos Magalhães; "Macacos Me Mordam", de César Maurício e Sávio Leite, com narração inconfundível de Paulo César Pereio; "Menina Lua Menino Lua", de Almir Correia; "O Gigante", de Julio Vanzeler e Luis da Malta Almeida; "O Grande Evento", de Thomate; "Un Día de Trabajo", de Francisco Rosatelli e "Suassuna, a peleja do sonho com a injustiça", de Felipe Gontijo e Osilva.

Narrado por Lirinha (ex-Cordel do Fogo Encantado), o curta sobre Ariano Suassuna impressionou pela qualidade estética e a montagem de ritmo certeiro com imagens reais do autor paraibano.

Depois dos traços animados, o vídeo voltou à tela da sala de cinema improvisada no armazém ao lado do cais da cidade com a Mostra Corsária de cinema experimental, com cinco curtas que exploravam as possibilidades da linguagem cinematográfica.

O experimental deu lugar aos curtas da Mostra Competitiva Nacional às 19h e, às 22h, com atraso de uma hora, começava o filme "Depois da Chuva", da Mostra Competitiva Nacional de Longas.

A obra, dos baianos Cláudio Marques e Marília Hughes, retrata a Salvador de 1985, permeada pela repressão da ditadura militar, então ainda recente, e cercada de ceticismo pelo cenário político de eleições indiretas e com a morte do presidente Tancredo Neves.

A política nacional é o pano de fundo, mas também o fio condutor da história de um grupo de adolescentes anarquistas que entra em crise quando um dos integrantes se vê tentado a se candidatar às eleições para o grêmio do colégio.

Apesar de pecar especialmente pelo som, que falha nas interpretações musicais e em falas importantes dos personagens, o filme vale a sessão.

O 20º Festival de Vitória acontece até sábado, 2 de novembro, e todas as atrações são gratuitas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo