Filmes e séries

Amazonas Film Festival começa com filme franco-italiano em Manaus

02/11/2013 03h12

A 10ª edição do Amazonas Film Festival (AFF) começou nesta sexta-feira (1) em Manaus com uma homenagem a Roberto Farias, um dos diretores de cinema mais antigos do Brasil, e com a exibição do filme franco-italiano "Un Giorno devi Andare", que é ambientado na capital do estado.

O diretor, responsável por filmes como "Os Trapalhões no Auto da Compadecida", "Cidade Ameaçada" e "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura", foi ovacionado pelo público presente no espetacular Teatro Amazonas, construído no final do século XIX durante a época em que Manaus era "a capital mundial da borracha".

Farias foi reconhecido como um dos principais promotores do cinema nacional e sua trajetória foi lembrada em uma breve homenagem, na qual familiares e amigos rememoraram seu papel não só como diretor, mas também como roteirista.

O secretário de Cultura do estado do Amazonas, Robério Braga, afirmou que a trajetória do cineasta é um estímulo para os jovens que estão começando e acrescentou que o evento presta homenagem não só a Farias, mas a todo o cinema nacional.

O diretor agradeceu o reconhecimento, especialmente por ter tido a oportunidade de recebê-lo ainda vivo, e considerou a cerimônia desta sexta-feira como uma homenagem ao cinema nacional, pelo qual luta desde os 18 anos.

Após a homenagem e a apresentação do júri, do qual Roberto Farias é Presidente de Honra, os presentes assistiram a exibição de "Un Giorno devi Andare".

O longa, que narra a trajetória de uma jovem italiana que procura por respostas e está ambientado em Manaus, foi incluído na seção oficial do festival de Sundance deste ano.

O filme teve uma boa aceitação na sala por parte do público, que reconheceu as paisagens urbanas e as florestas do estado amazônico que serviram de fundo para a história.

O festival, que se estenderá até a próxima quarta-feira, terá um caráter independente, já que foram selecionados até três filmes que foram reconhecidos na seção oficial do festival de Sundance, fundado por Robert Redford no final dos anos 1970.

Além disso, contará com a presença do filme vencedor da Concha de Ouro de San Sebastián 2013, "Pelo Malo".

Além de oferecer um prêmio ao melhor longa-metragem e outro ao melhor curta-metragem das mostras, o festival também inclui um concurso de curtas dirigidos por jovens cineastas do estado do Amazonas, alguns dos quais participaram da cerimônia de abertura.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo