Filmes e séries

"Olho Nu" capta essência de Ney Matogrosso com "autorretrato em 3ª pessoa"

Divulgação
Cena do documentário "Olho Nu", de Joel Pizzini Imagem: Divulgação

Gonzalo Domínguez Loeda.

De Manaus

07/11/2013 16h23

Como um "autorretrato em terceira pessoa", assim é o documentário "Olho Nu", segundo o diretor Joel Pizzini, que colocou o cantor Ney Matogrosso em frente à câmara para, através de sua memória visual, resgatar a vida de um dos artistas que mudou a moralidade do país.

"Matogrosso é um enigma que tentamos explicar", declarou Pizzini à Agência Efe em uma entrevista concedida após a apresentação de seu documentário no Amazonas Film Festival, realizado nesta semana em Manaus e na qual "Olho Nu", o único em competição, foi muito aplaudido pelos presentes.

O filme em questão percorre a vida criativa de um artista que fez da provocação moral e da libido parte consubstancial de seu processo criativo e que, em plena ditadura militar, apareceu como uma figura fundamental da cena cultural.

Com um sistema narrativo não linear e nem cronológico, que, segundo Pizzini, elude "a reação causa-efeito", o documentário parte dos "fragmentos de memória" de Matogrosso para expor sua obra perante o espectador.

"Tudo acontece ao mesmo tempo; o que importa é o sentido estético", resumiu Pizzini.

Precisamente, a estética teve um papel fundamental na carreira de Matogrosso, ainda em atividade e que durante muitos anos se definiu como "um ator que canta", tendo em vista que o mesmo realizou diversos projetos teatrais alheios à música durante sua carreira.

Em relação ao processo de elaboração, que se distanciou do documentário televisivo para se adaptar à linguagem cinematográfica, o trabalho de documentação teve um papel fundamental com a análise e transcrição de mais 500 horas de vídeo, um trabalho realizado muito bem pelo assistente de direção Rafael Sa'ar, "uma figura chave na elaboração do filme", segundo o próprio Pizzini.

Sa'ar foi o encarregado de recopilar, analisar e transcrever essas 500 horas de gravação. "Agora, ele conhece minha vida melhor que eu", afirmou Matogrosso durante a apresentação da filme no Teatro de Manaus.

As imagens de arquivo são alternadas com algumas recentes gravadas para a ocasião na cidade de origem do artista brasileiro, Bela Vista, no Mato Grosso do Sul e próximo à fronteira paraguaia.

O documentário procura zelar a pessoa por trás do personagem, um artista que, em plena ditadura, atacou frontalmente os clichês morais da sociedade fazendo da ambiguidade sexual e da libido partes fundamentais de sua arte.

Desta forma, Matogrosso conseguiu alterar grande parte das premissas éticas de sua época e se transformou "em um sobrevivente, já que conseguiu lidar muito bem com o passado", afirmou Pizzini.

Para atravessar a couraça do personagem, o diretor teve que superar a tendência de não se expor em público de Matogrosso, que, no início de sua carreira, chegou a incorporar elementos para resguardar sua identidade, como máscaras e fantasias.

"Por conta dessa capacidade camaleônica há vários Matogrossos", assegurou Sa'ar, que ressaltou a preocupação do diretor em abordar "todos os possíveis". "Acima de tudo, ele é um artista vitorioso", conclui Pizzini.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo