! Tom Hiddleston, o Loki de "Thor", reconhece que brilhar é de sua natureza - 07/11/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Tom Hiddleston, o Loki de "Thor", reconhece que brilhar é de sua natureza

Fernando Mexía

07/11/2013 10h53

O ator britânico Tom Hiddleston gosta de dar espetáculo, seja na pele do traiçoeiro Loki - personagem da saga de filmes do herói "Thor" -, cantando o hit "Man in the Mirror", de Michael Jackson, ou dançando "Gangnam Style".

Aos 32 anos, Hiddleston reconhece que brilhar é algo de sua natureza, assim como seus olhos azuis e seu cabelo loiro encaracolado que poucos associam à sua imagem, camuflada pelos longos cabelos escuros de seu alter ego nos filmes da Marvel, personagem que o tornou mundialmente conhecido.

"Às vezes, costumam esquecer que os atores são artistas", disse Hiddleston à Agencia Efe em uma entrevista realizada antes da estreia de "Thor: O Mundo Sombrio", sequência que chegará aos cinemas dos EUA na próxima sexta-feira.

Antes da estreia nos EUA, o filme, que estreou na última sexta-feira no Brasil, arrecadou mais de US$ 100 milhões nas bilheterias internacionais.

Neste, o ator vive um novo desafio sob o mesmo personagem. Isso porque o famoso Loki, o príncipe da farsa das histórias em quadrinhos da Marvel, se mostra mais polarizado do que nos dois filmes anteriores: "Thor" (2011) e "The Avengers - Os Vingadores" (2012). Por um lado, vulnerável; por outro, mesquinho e egocêntrico.

Veja Tom Hiddlenton na Comic-Con 2013:

"Ele é como o teclado de um piano, com teclas brancas e pretas, mas, por trás de sua fachada, com a qual tenta controlar tudo, é um menino perdido e com o coração partido", explicou Hiddleston, que vê nesse coquetel de emoções o segredo de sua popularidade."A audiência pode entender e simpatizar com ele, embora seja um vilão arrogante e orgulhoso. Também há algo muito atraente em alguém que está constantemente causando o caos", apontou.

Antes de "Thor", Hiddleston tinha centrado sua carreira na televisão, em séries europeias como "Wallander", e teve seu primeiro papel relevante no longa-metragem "Archipelago" (2010). Agora, em menos de três anos, ele já conta com uma legião de fãs.

Alguns de seus seguidores, inclusive, usaram a canção "Get Lucky", do Daft Punk, para criar uma versão intitulada "Get Loki", que faz uma paródia dos super-heróis da Marvel em sua tentativa de capturar Loki, como ocorre em "Os Vingadores".

"Se transformou em um hino para os fãs de Loki. Na feira Comic-Com (que ocorreu em julho, em San Diego), estava assinando uns autógrafos e começou a tocar Daft Punk e seu 'Get Lucky'. De repente todos eles começaram a cantar 'Get Loki' em um coro gigantesco na feira. Foi muito divertido", comentou o ator britânico.

Na ocasião, Hiddleston retribuiu o carinho dos fãs comparecendo ao evento vestido de Loki. No YouTube, onde é possível ver os melhores momentos da recente visita do ator à Coreia do Sul, essa cena já conta com mais de 2,5 milhões de visualizações.

Hiddleston também surpreende com sua desenvoltura na dança, o que alguns vieram a chamar de "Loki-motion", e sua capacidade vocal para entoar a faixa "Man in the Mirror", de Michael Jackson, uma canção que, segundo ele, sempre canta quando vai com seus amigos a um karaokê.

"Tudo isso é coisa minha", responde o ator ao ser perguntado se a exibição em questão fazia parte da promoção do filme.

"Esta velha escola de entretenimento me encanta. Sei que nem todos os atores estão cômodos com isto, mas me agrada. Não é algo novo, já que sempre faço, mas era algo desconhecido para o grande público", completou o ator.

O sucesso que acompanha seu personagem também aumentou o interesse do público no filme centrado na figura de Loki, que até agora era considerado secundário na saga "Thor". "Estão falando muito sobre isso", confirmou Hiddleston.

"É incrível. Seria fascinante, mas de forma alguma eu gostaria que Thor estivesse mais envolvido. Ele e Loki são como o yin e yang, duas partes do mesmo", ressaltou o intérprete, que entre fevereiro e maio de 2014, rodará "Crimson Peak" com Guillermo del Toro.

Nesta produção do cineasta mexicano, que se inspira no romantismo gótico como ponto de partida de uma história fantasmagórica, Hiddleston encarnará um "sofisticado e elegante cavaleiro do século 19", segundo sua própria descrição.

Del Toro também não pôde resistir aos encantos de Loki, confessou Hiddleston, que qualificou as palavras do diretor mexicano sobre seu papel em "Thor" como "muito generosas".

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo