Filmes e séries

Filme "Tir" leva Marco Aurélio de Ouro no Festival de Roma

Claudio Onorati/EFE
O diretor ítalo-croata Alberto Fasuolo Imagem: Claudio Onorati/EFE

Em Roma

16/11/2013 23h29

O filme "Tir", do ítalo-croata Alberto Fasuolo, foi o vencedor do Marco Aurélio de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Roma. O filme retrata a vida em um caminhão.

A cerimônia de premiação encerrou os dez dias nos quais os cinemas romanos projetaram 100 filmes, dos quais 18 concorriam ao máximo prêmio, o Marco Aurélio de Ouro.

"Tir", que conta uma história sobre viagens em um caminhão pelas estradas do Velho Continente, teve um processo de gravação descontínuo.

"Às vezes me perguntei se queria acabar o filme, mas no final, após cinco anos de gravação, decidi fazer e este é o resultado", explicou o diretor, emocionado, em alusão ao Marco Aurélio de Ouro, durante a entrevista coletiva posterior à entrega de prêmios.

"Tir" é o segundo filme de Alberto Fasuolo, um diretor italiano de origem croata que nesta obra narra a história de um professor que decide mudar de vida para dirigir um caminhão pela rede de rodovias europeias, trabalho com o qual ganha três vezes mais dinheiro.

Entre os filmes que compunham a lista de candidatos estava a obra prima dos chilenos Diego Ayala e Aníbal Jofré, "Volantín Cortao"; "Entre nós", do brasileiro Paulo Morelli, e "Manto Aqüífero", de Michael Rowe.

O filme que mais prêmios levou foi "Sebunsu Kodo" (código sete), uma história de "mulheres combativas" do cineasta japonês Kiyoshi Kurosawa, conhecido por seus filmes de terror, que recebeu os prêmios de Melhor Direção e de Melhor Realização.

O júri do evento também entregou o Prêmio de Melhor Atriz à americana Scarlett Johansson por sua interpretação no filme "Her" e o de Melhor Ator para Matthew Mcconaughey, por seu papel em "Dallas Buyers Clube".

Johansson enviou um comunicado ao festival, no qual brincou com o papel que encarna nesta comédia romântica do americano Spike Jonze.

A oitava edição do Festival Internacional de Cinema de Roma, a alternativa mais séria à Mostra de Veneza dentro das fronteiras italianas, esteve acumulada de estreias mundiais, já que, dos 18 filmes a concurso, 12 elegeram a Cidade Eterna para ser projetados pela primera vez.

Nesta ocasião, o júri foi presidido pelo diretor e roteirista americano James Gray e composto, entre outros, pela cineasta argentina Veronica Cheng e o ator russo Alexei Guskov.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Topo