Filmes e séries

Hollywood lembra legado de Nelson Mandela

Kim Ludbrook/Efe/Epa
O líder sulafricano Nelson Mandela Imagem: Kim Ludbrook/Efe/Epa

06/12/2013 02h09

Hollywood se juntou nesta quinta-feira (5) às condolências pela morte do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, cuja vida de luta contra o "apartheid" foi imortalizada em várias ocasiões nas telas dos cinemas e a última delas, "Mandela: Long Walk to freedom", estreou na última sexta-feira.

O ator britânico Idris Elba, que interpreta o líder africano nesse filme, foi um dos primeiros a reagir após a notícia do adeus de Mandela, que morreu aos 95 anos em sua casa em Johanesburgo.

"Estou abalado neste momento", comentou Elba, para quem hoje se foi "um dos melhores seres humanos que caminharam na Terra", segundo uma postagem na página do Facebook da The Weinstein Company, a produtora responsável pelo filme.

Morgan Freeman, que fez Mandela no longa "Invictus" (2009), de Clint Eastwood, o descreveu como um homem de "honra incomparável, força inconquistável e firme determinação".

"Um santo para alguns, um herói para todos nós que apreciamos a liberdade e a dignidade humana", acrescentou Freeman.

Atores como Danny Glover, Terrence Howard, Sydney Poitier e Dennis Haysbert também deram rosto e voz a Mandela nos cinemas ao longo das últimas décadas.

Muitas estrelas fizeram uso do Twitter para prestar homenagens e demonstrar consternação pela morte de Madiba, nome pelo qual Mandela é carinhosamente chamado pelos sul-africanos.

"Nunca conheci uma pessoa melhor em minha vida", confessou o ator Samuel L. Jackson, enquanto o diretor de cinema Spike Lee publicou uma foto em que aparece junto com Mandela.

O multifacetado Tyler Perry lamentou não ter tido a oportunidade de se encontrar pessoalmente com o ex-presidente sul-africano e afirmou que ele era uma das "três pessoas que queria ter conhecido na vida".

Arnold Schwarzenegger comentou que um "herói" tinha morrido e Charlize Theron escreveu que "sentirá saudades" de Madiba, mas seu "impacto neste mundo viverá para sempre".

Entre os famosos que expressaram suas condolências estão Mike Tyson, Whoopi Goldberg, William Shatner, Emile Hirsch, Michael Moore, Alyssa Milano, Oliva Wilde, Stephen Fry e David Copperfield.

"Está acontecendo uma festa no céu. Os anjos estão celebrando. O único e inigualável Nelson Mandela chegou", escreveu o cantor porto-riquenho Ricky Martin.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo