Filmes e séries

"Não estava fugindo dos estúdios", diz Keanu Reeves sobre volta a 47 Ronins

24/12/2013 16h26

Sem um grande sucesso na carreira desde a trilogia "Matrix" (1999) e ausente das superproduções de Hollywood desde 2008, Keanu Reeves confessa sua satisfação por voltar ao cinema com "47 Ronins ", um épico que fala sobre honra ambientado no Japão do século XVII que chega ao cinema americano no Natal e em 31 de janeiro no Brasil.

"Não estava fugindo dos estúdios. Simplesmente, não acontece. É bom estar de volta", reconheceu Keanu Reeves em entrevista à Agência Efe. Neste filme ele interpreta o pária mestiço Kai, um dos 47 homens deserdados da tradição samurai nesta história clássica da cultura japonesa.

Assista ao trailer legendado de "47 Ronins"

No filme, que teve um orçamento de mais de US$ 200 milhões, Reeves luta na tela para recuperar a honra de seu amo traído, mas também volta simbolicamente para lutar por sua honra no olimpo de Hollywood.

O ator procura se reconciliar com estrelato do qual saía pelo tangente com sua banda, com suas corridas de moto, e também com filmes alternativos como "Garotos de Programa" (1991), "Impulsividade" (2005) ou com o documentário que ele mesmo dirigiu, "Man of Tai Chi" (sem título em português, 2012).

"Sempre quis fazer histórias independentes e filmes de estúdio. Os grandes estúdios te dão a oportunidade de criar mundos e alcançar dimensões que evidentemente não são possíveis no cinema independente", explicou.

"Mas os filmes independentes são capazes de contar histórias menos populares. Espero ter sido capaz de apresentar algo nesses filmes não tão populares".

"47 Ronins", para ele, combina ambas as tendências. "Este filme cria um mundo e tem uma escala e um objetivo de fantasia, mas ao mesmo tempo fala de lutar por seu lugar, sua casa, por quem somos, e isso é universal. É ação e fantasia, mas também intimidade".

Dirigido pelo mestre visual Carl Rinsch e que conta com as estrelas do cinema japonês Rinko Kikuchi (conhecida por "Babel") e Hiroyuki Sanada (o Shingen de "Wolverine: Imortal "), combina, efetivamente, cenas de espada samurai com o drama e o conflito da diáspora e da mestiçagem que afeta Reeves também na vida real.

Nascido em 1964 em Beirute, com uma carreira na qual passou pelas mãos de Bernardo Bertolucci, Francis Ford Coppola, Gus Van Sant, Kathryn Bigelow, os irmãos Wachowski e Rebecca Miller, Reeves é de todo lugar, e de lugar nenhum.

"Sou chinês, havaiano e inglês, cresci no Canadá. Quando às vezes vou ao Havaí para ver meus primos me chamam 'hapa', que significa que é algo intermediário, o que fazia de mim um 'outsider' ali. E depois fui a diferentes escolas e também era um 'outsider'. Tenho esse sentimento de isolamento do personagem. É só o princípio, não necessariamente define o personagem, mas é um lugar no qual começar", explicou.

E assim, o ator de sucessos comerciais como "Advogado do Diabo" (1997) e "Velocidade Máxima" (1995), ídolo geracional graças a "Matrix", explora de novo seus traços orientais (que já utilizou para se transformar no príncipe Sidarta em "O Pequeno Buda" 1993) e se envolve em um mundo de fantástico, cheio de feitiços, trânsito de almas e iconografia japonesa, para uma história global.

"Nós sempre falamos de morrer por amor a nosso país. É verdade que uma parte desse conceito de honra é unicamente japonesa. Sua cultura do sacrifício próprio e como está ritualizado o suicídio são definitivamente únicos. Mas a ideia da honra ao nome, ao lugar, ao país e para as gerações posteriores é totalmente universal".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Topo