! "O Grande Mestre" é mais "ambicioso" que "Amor à Flor da Pele", diz Kar-Wai - 09/01/2014 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

"O Grande Mestre" é mais "ambicioso" que "Amor à Flor da Pele", diz Kar-Wai

Reprodução
Cena de "O Grande Mestre", de Wong Kar-Wai Imagem: Reprodução

Marta Garde

Em Paris

09/01/2014 19h49

O cineasta chinês Wong Kar-Wai precisou de seis anos de preparação e três de filmagem para pôr de pé "O Grande Mestre", um filme que reflete a vida e a época do lendário mestre de kung fu Yip Man, que é "mais ambicioso" e vai "muito mais além" do que "Amor à Flor da Pele".

O mentor de Bruce Lee foi para o diteror de "Amor à Flor da Pele" e "2046 - Os Segredos do Amor" o gatilho de um filme protagonizado por Tony Leung, um de seus queridinhos.

"Nunca me dei conta de que passou uma década. O tempo voa, e a viagem foi muito interessante", afirmou em entrevista à Agência Efe o diretor, que impôs um exigente treinamento físico para que a interpretação fosse convincente.

A câmera regozija na espetacularidade dos movimentos e em pequenos detalhes estéticos que tornam reconhecível a marca de Wong, apesar de sua temática se afastar do registro com o qual conquistou um público entregue à delicadeza de seus planos e de suas trilhas sonoras.

"Este filme é mais ambicioso do que 'Amor à Flor da Pele'. Vai muito além. Dito de outra forma, naquele eu fiz uma música; com 'O Grande Mestre' compus uma sinfonia", explicou à Efe durante sua apresentação em Paris.

Wong, nascido em Xangai em 1958 e criado em Hong Kong, tem procurado se aproximar de um público "não necessariamente mais jovem, mas sim diferente", e assegurou que com este projeto não só expõe um mundo que o atrai "muito neste momento", mas abre um novo capítulo em sua carreira.

O diretor, que evoca neste filme a época dourada do kung fu, entre 1911 e 1949, trata essa disciplina como uma arte próxima à dança e aborda o tema como uma tradição na qual a honra, a sabedoria e a justiça são elementos essenciais.

Como contrapeso feminino para a história, ele recorre a Zhang Ziyi, com quem trabalhou pela primeira vez em "2046 - Os Segredos do Amor". Ela interpreta uma representante do estilo marcial "Baguazhang", o qual defende que as mulheres também são dignas herdeiras dessa forma de luta.

"Não acho que haja um amor reprimido no filme. Não há uma tensão romântica entre os dois personagens, mas uma admiração mútua entre dois professores do kung fu. O que acontece é que são de gêneros diferentes. Teria sido o mesmo com dois homens", disse, em uma tentativa de limpar as dúvidas da ligação entre os dois.

Os atores se submeteram a um treinamento e ensaio de coreografias por mais de um ano, e um deles, Chang Cheng, chegou a tal domínio da disciplina "baji" que ganhou o campeonato nacional chinês do estilo em 2012.

Wong queria que se apropriassem não só do espírito e a "dignidade" própria de suas respectivas escolas de luta, mas também que fossem capazes de executá-las, para tentar dotar o gênero de uma autenticidade sem precedentes.

No entanto, o filme, que abriu a última edição da Festival de Berlim, não é apenas um retrato desse mundo e de seus códigos, porque com eles se exibe igualmente parte da história do país e se evidência de novo o preciosismo técnico e estilístico que caracteriza a trajetória do diretor.

Nesta nova produção, a música, da mesma forma que em seus filmes anteriores, não passa despercebida: "Sempre achei que é um personagem em si. É algo que dá ao público o sentido do ritmo, como a batida do coração", concluiu o diretor".

  • Reprodução

    Cena de "O Grande Mestre"

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo