Filmes e séries

Cuba elege "Conduta" como pré-candidato ao Oscar e ao Goya

Divulgação
Cena do filme "Conduta", pré-candidato cubano ao Oscar e ao prêmio espanhol Goya Imagem: Divulgação

De Havana

03/10/2014 21h37

Cuba elegeu o filme "Conduta", do diretor Ernesto Daranas, como seu aspirante a uma candidatura aos prêmios do Oscar, de Hollywood, e Goya, da Espanha, informaram nesta sexta-feira a imprensa local.

O filme foi eleito representante da ilha por uma comissão do Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficos (ICAIC), que inclui o cineasta Fernando Pérez e a diretora da Mostra de Cinema Jovem, Marisol Rodríguez.

A Comissão acredita que o filme de Daranas expressa com "uma alta qualidade cinematográfica um drama autenticamente cubano e, ao mesmo tempo, universal", após uma "exaustiva análise" dos filmes indicados a cada um dos prêmios, explicou uma nota divulgada no portal "Cubacine" do ICAIC.

"Conduta" estreou em fevereiro deste ano em Cuba com grande sucesso de público e crítica, e aborda a comovente história de "Endoidece", uma criança de 11 anos que vive sozinha com sua mãe alcóolatra, em um ambiente de marginalidade, onde se dedica a treinar cachorros de briga para ganhar algum dinheiro para sua família.

"Carmela", a veterana professora, pela qual "Endoidece" sente um grande respeito, estabelecerão uma forte relação, e ela assumirá o compromisso ético de defender a criança diante da intolerante medida adotada pela direção de seu colégio de transferi-lo para uma escola de conduta.

O personagem de "Endoidece" quando criança é interpretado por Armando Valdés, selecionado no casting convocado para esse papel, e a professora "Carmela" foi desenvolvida pela atriz Alina Rodríguez.

Desde sua estreia e em sua premiada trajetória por uma série de festivais internacionais, "Conduta" recebeu críticas que diziam ser um filme "duro, crítico, sentimental, estremecedor e polêmico".

O longa integrou a seleção de diferentes festivais, como o de Toronto, de Bogotá, e de Brasília.

A eles se somam o Prêmio de Melhor Filme e o de Melhor Atriz no Festival de Cine de Havana em Nova York, e o prêmio "Bisnaga de prata" de melhor Longa-metragem no XVII Festival de Cine de Málaga (Espanha).

O diretor e roteirista de "Conduta", Ernesto Daranas Serrano tem em sua filmografia o documentário "Os últimos gaiteiros de Havana" (2004), ganhador do Prêmio Internacional de Jornalismo "Rei da Espanha", "Os deuses partidos" (2008), seu primeiro longa-metragem de ficção, aspirante aos "Oscar" em 2010, e "Bluechacha" (2012), indicado ao Grammy Latino como Melhor Vídeo Musical de Longa Duração.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo