Filmes e séries

Diretor argentino diz que cinema de autor não é sinônimo de qualidade

Reprodução
Alice Braga e Gael García Bernal em cena de "A Ardência" Imagem: Reprodução

Do Rio

03/10/2014 16h42

O diretor argentino Pablo Fendrik diz não ter abandonado o cinema de autor em seu terceiro longa-metragem, "A Ardência", e advertiu sobre "tomarem autor como sinônimo de qualidade, há autores muito ruins".

"Além de bons e ruins, que é uma definição espantosa, os autores têm momentos, vamos experimentando", afirmou Fendrik em entrevista à Agência Efe no lançamento de seu filme, durante o Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, um mês após a estreia na Argentina.

Segundo o diretor, seu "momento" neste filme é o de "continuar fazendo cinema de autor, mas em outra escala", já que "A Ardência" é um "western" ambientado na floresta e com a presença de dois protagonistas com apelo internacional, o mexicano Gael García Bernal e a brasileira Alice Braga.

O filme narra a história de uma família camponesa que vive perto da fronteira entre Brasil e Argentina, assediada pelo grupo de pistoleiros de um fazendeiro. Em sua defesa aparece o misterioso personagem de García Bernal, que tentará resgatar a filha da família, interpretada por Alice Braga.


"Trabalhar com atores com tanta experiência deixa a vida muito mais simples. É mais o que eu aprendo com eles do que o que eles têm para aprender de mim", disse um humilde Fendrik sobre seus dois protagonistas.

Referências

"A Ardência" recolhe várias referências de outros filmes, "diversão pura" segundo o diretor. Para ele, a crítica incute nos jovens diretores que "fazer referências a determinado cinema desvaloriza seu selo pessoal, e eu neste filme me permiti duvidar disso".

"Se tenho vontade de filmar como Leone, filmo como Leone, se tenho vontade de filmar como Peckinpah, filmo como Peckinpah", afirmou o argentino.

Seu próximo projeto pode ter a ver com uma busca totalmente inversa, um "universo estritamente próprio" e alheio a referências cinematográficas.

"Adoraria fazer agora um filme sem olhar para mais nada durante todo o processo de fazê-la, e ver que sai", confessou, acrescentando ser pouco provável que se trate de outra produção de gênero.

Após os dois filmes que o colocaram no panorama de novos criadores argentinos, "O Sangue Brota" e "O Assaltante", Fendrik assegurou que, com "A Ardência", pretende estar "aberto a um público maior", embora o diretor lembre que sempre teve liberdade para filmar e não teve "nenhuma interferência".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo