Filmes e séries

Diretor e roteirista latino-americanos defendem papel do cinema brasileiro

Antonio Lacerda/EFE
30.set.2014 - Diretor Guillermo Arriaga promove seu novo filme "Falando com Deuses" no Festival do Rio Imagem: Antonio Lacerda/EFE

22/10/2014 21h33

O diretor mexicano Guillermo Arriaga e o roteirista argentino Fernando Castets defenderam nesta quarta-feira (22) o papel que o cinema brasileiro possui e destacaram o peso de suas histórias durante a 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que terminará no próximo dia 29.

Após uma conversa com futuros roteiristas e leigos, o diretor de "Amores Brutos" disse à Agência Efe que os brasileiros deveriam "sentir-se orgulhosos do nível dos profissionais de seu país".

Para Arriaga, há uma série de produções nacionais que "tocou e transformou" o cinema mundial, entre elas "Pixote: A Lei do Mais Fraco" (1981), "Central do Brasil" (1998), "Cidade de Deus" (2002), "Ônibus 174" (2002) e "Tropa de Elite" (2007).

Durante o encontro, ambos os profissionais fizeram avaliações sobre o trabalho de seus colegas brasileiros após uma piada que surgiu na conversa, na qual o moderador disse que os roteiros argentinos eram de "melhor qualidade" do que os brasileiros.

Castets, roteirista da aclamado "O Filho da Noiva", refutou com bom humor a insinuação.

"É que vocês não viram tudo", respondeu o argentino, que admitiu que podem ter roteiros "bons" e "ruins" em todos os lugares.

Sobre as produções mexicanas, Arriaga ponderou que estão bem e com "uma saúde muito boa", já que sempre um filme de seu país está inscrito em festivais e "ganha algum prêmio". Ele ressaltou que os mexicanos contam ainda com o diretores como Alfonso Cuarón e Guillermo del Toro de grande reconhecimento no mundo todo.

Para os dois, o tempo é algo muito importante na carreira profissional, e reescrever os textos é algo essencial.

Castets lembrou que ele mesmo já chegou a fazer mais de 15 versões de um projeto, enquanto Arriaga confessou em tom de brincadeira que trabalhou mais de dois anos em um roteiro que passou por 75 versões diferentes.

"Encontro o peso nas palavras", explicou o mexicano, que não permite que os atores improvisem com o texto de seus roteiros, porque seu trabalho é demorado para que possa mostrar exatamente o que ele espera comunicar.

"Para mim, escrever é uma luta contra a morte", continuou Arriaga, que vê em sua obra uma forma de "sobreviver ao tempo" justificando fazer tantas versões de uma mesma história.

Por outro lado, Castets afirmou que sente prazer em "reescrever" um texto e que cada vez que lê o que escreveu encontra novidades.

"Deixem que alguém leia o escrito antes de publicar, pois com esse exercício é possível refletir com os comentários", aconselhou o argentino aos novos roteiristas brasileiros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo