Filmes e séries

Depardieu diz que escolheu ser ator porque não queria trabalhar, mas viver

"Fui ser ator porque não queria trabalhar, preferia viver", afirmou Gérard Depardieu nesta sexta-feira (22) em Cannes, natural e direto como costuma ser, mas mais comedido do que em outras ocasiões e sem levantar polêmicas políticas.

Depardieu apresentou nesta sexta-feira, junto com Isabelle Huppert, o filme "Valley of Love", de Guillaume Nicloux, na competição oficial de Cannes, que representa o reencontro de duas estrelas francesas 35 anos depois do filme "Loulou" de Maurice Pialat.

O ator monopolizou a entrevista coletiva, e reconheceu abertamente que o melhor de seu trabalho é que lhe permite aproveitar a vida.

"Além disso, se na filmagem há um bar, nos alimentam e cuidam de nós, é tudo perfeito", disse Depardieu, que garantiu que "não se deve subestimar o ofício de um ator, pois permite trabalhar menos e viver mais".

"É vulgar, mas é a verdade", afirmou o ator, de 66 anos, que possui mais de 200 trabalhos em mais de 45 anos de carreira.

É a mesma profissão do personagem que interpreta em "Valley of Love", um ator que se reencontra com sua ex-esposa anos depois da separação, o último pedido do filho deles em um bilhete antes de se suicidar.

O longa se passa no americano Vale da Morte, na Califórnia, local que é "o elemento desencadeante da história", explicou o diretor.

E se desde o primeiro momento contou com Huppert para o personagem feminino, a primeira opção para o masculino era Ryan O'Neal, mas finalmente se encontrou com Depardieu, que deu ao personagem uma volumosa ternura que contrasta com a frieza da mulher.

"Li o roteiro e fiquei maravilhado com o pequeno toque fantástico e de tudo o que podia transmitir, a forma de recuperar um vazio de 30 anos" na relação entre duas pessoas, explicou Depardieu.

Além disso, este projeto o permitiu se reencontrar com Huppert. "Estar quatro semanas juntos me encantou", disse o ator, que garantiu que por trás das câmaras deram o abraço que seus personagens não dão no filme.

Na realidade, explicou Huppert sobre seus personagens, "era como se estivessem se encontrando pela primeira vez, voltam a passar por todas as etapas de uma nova relação".

As semelhanças não param por aí. Nessa história os atores utilizaram seus nomes reais, e Depardieu interpreta um ator que perdeu um filho, como aconteceu com ele e seu filho Guillaume, morto aos 37 anos.

"Podia imaginar muito bem a situação, mas não se deve buscar em si mesmo" para interpretar um papel, assinalou o ator, que disse não ter sido uma história especialmente dolorosa.

Depardieu falou da morte de seu filho com a mesma naturalidade de quando disse ter "tendências banais e não o gosto de um cinéfilo", sobre os filmes que gosta de assistir.

"Vejo principalmente séries, adoro séries. E adoro atores como Bruce Willis, que a princípio não me agradava nada, mas todos seus filmes, cheios de efeitos especiais e com personagens me encantam", disse, com bom humor.

Repetidamente perguntado sobre sua opinião sobre a Rússia - em 2013 recebeu a cidadania russa após deixar a França e se instalar na Bélgica - e a Ucrânia, Depardieu reconheceu que gosta muito Vladimir Putin, mas que não tem uma visão pública do que ocorre nesses países.

"Adoro a Ucrânia e sei que se a Crimeia fosse americana a situação seria diferente", disse antes de ressaltar que viajou muito para o país quando era presidente Viktor Yushchenko, sobre quem destacou que "nunca quis o poder".

Ele considera "muito difícil de julgar" a situação da Ucrânia, da mesma forma que a da Rússia.

"Não tenho a pretensão nem de conhecer nem de ser o porta-voz de ninguém. Não gosto de guerras, dos conflitos e mortes que provocam, mas também não dos conflitos sobre os quais ninguém fala e que em um momento ou em outro vão explodir", afirmou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo