Filmes e séries

Atriz acredita que "Loreak" abrirá portas para o cinema basco no Brasil

Em Fortaleza

21/06/2015 07h58

Com um simples, mas universal ramo de flores, "Loreak", o primeiro filme gravado integralmente em euskera, estreou no 25º Cine Ceará -Festival Ibero-Americano de Cinema abrindo o caminho para que outras produções na língua basca se animem a atravessar o oceano.

A fórmula: uma história íntima e feminina que alinha a vida de três mulheres transformadas pela presença de um misterioso ramo de flores, o mesmo que dá título ao filme dirigido por Jon Garaño e José Mari Goenaga.

"'Loreak' abriu uma porta porque, desta vez, as pessoas vêm aos cinemas para ver um filme em língua basca", declarou hoje Itziar Ituño, uma das protagonistas, durante um debate organizado no marco do festival.

A atriz, que ontem não chegou a tempo para apresentar "Loreak" à audiência brasileira por um atraso em seu voo, afirmou que o filme "teve boa recepção em Madri e Catalunha" e assegurou que "no País Basco, nunca tanta gente tinha ido ver um filme em euskera".

"As pessoas custam a ir ver uma produção em língua basca, isso é uma realidade", enfatizou Ituño, opinando que o filme, indicado aos Prêmios Goya e à Concha de Ouro no Festival de San Sebastián, "criou uma corrente de costume".

Dessa forma, para a atriz, o êxito de produções como "Oito sobrenomes bascos" quebrou preconceitos e ajudou a dar maior visibilidade à indústria local, que passa por uma situação econômica delicada, depois que o governo espanhol cortou as ajudas ao setor.

"Os atores estamos com a água ao pescoço", comentou Ituño, acrescentando que "o cinema basco está bastante mal em nível de ajuda econômica, não se rodam muitos filmes. De fato, rodar em euskera é uma aventura".

A atriz explicou que o modelo de negócio mais recorrente hoje em dia é o 'micromecenato', de modo que a equipe de filmagem e os atores se transformam em acionistas do filme, uma alternativa com a qual "estão conseguindo realizar muitos projetos autogestados".

E, antes de ir embora, perguntada sobre por que não tinham rodado o filme em espanhol para dar-lhe maior visibilidade, a atriz respondeu com a mesma resposta dada em várias ocasiões pelos diretores: "E por que não?".

"Loreak" não é a primeira produção basca que participa do Cine Ceará. "Emak Bakia!", do diretor navarro Oskar Alegria, ganhou em 2013 o prêmio principal do festival.

Com uma programação de forte sotaque espanhol e 25 anos de existência, o Cine Ceará exibirá em Fortaleza um total de 60 filmes até o próximo dia 24 de junho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo