Filmes e séries

Futuro do cinema de terror é sangrento, afirma produtor de Hollywood

Fernando Mexía

De Los Angeles (EUA)

19/08/2015 10h28

O futuro do cinema de terror passa por olhar além do susto fácil e mostrar o horror de forma explícita e sangrenta, declarou à Agência Efe o produtor Jason Blum, cuja mão está por trás de "Atividade Paranormal", "Sobrenatural " e "Uma Noite de Crime".

Blum, de 46 anos, é uma das referências contemporâneas deste gênero em Hollywood, onde sua companhia, Blumhouse Productions, se tornou referência para o medo, e neste ano estreará mais de uma dezena de filmes, o próximo deles, "A Entidade 2", que estreia nesta sexta-feira (19) nos Estados Unidos.

"A chave para fazer um bom filme de terror é ter uma história dramática genial", explicou Blum, que demonstrou ter instinto para investir em produções de baixo custo (entre US$ 3 e US$ 5 milhões) muito rentáveis nas bilheterias, embora no começo tenha rejeitado títulos como "A Bruxa de Blair" (1999).

O filme sobre estudantes que viajam para uma floresta para documentar com seus câmeras a lenda da bruxa de Blair foi um inesperado sucesso que arrecadou mais de US$ 240 milhões e custou apenas US$ 60 mil. Blum, que trabalhava para a Miramax, deixou o filme escapar, mas com o tempo se recuperou.

Quando anos mais tarde Oren Peli apresentou um longa-metragem feito com apenas US$ 15 mil sobre uma presença demoníaca em uma casa, gravado com câmeras domésticas, o produtor decidiu assumir o risco.

Assim nasceu a saga "Atividade Paranormal", que arrecadou desde 2007 quase US$ 800 milhões nos cinemas, e cujo sexto longa estreará em outubro.

Blum aproveitou o formato de falso documentário e gravações achadas, por ser econômico, realista e se conectar com o público.

"Área 51", "Cybernatural", "Plataforma do Medo" e "A Visita", que estreará em setembro, utilizam esse recurso, o mesmo de "A Entidade" e de sua segunda parte, embora só como elemento dramático para algumas cenas.

"Acredito que as gravações descobertas alcançaram o auge e penso que vamos ver menos coisas assim. Acredito que as pessoas estão um pouco cansadas, embora seja o conteúdo que a maioria dos que têm menos de 25 anos veem na internet, onde gravam a si mesmos", comentou.

Atualmente Blum recomenda a filmagem tradicional sobre o formato de falso documentário, exceto em casos em que seja imperativo para a trama.

"Se sua vida está ameaçada, por que mostraria para uma câmera?", questionou Blum.

O produtor acredita que o gênero de terror caminha para um ciclo mais obscuro e visceral, alinhado com "A Morte do Demônio " e "Uma Noite de Crime", pensado em satisfazer os verdadeiros amantes do terror.

"Serão filmes mais sangrentos. Temos toneladas de (coisas) sobrenaturais e situações de medo que não são mostrados para a câmera, e acho que o gênero ficará mais 'hardcore'", afirmou.

Nessa linha é apresentado "A Entidade 2", um filme que recupera o diabólico Bughuul, uma espécie de homem do saco capaz de transformar crianças em impiedosos assassinos que gravam seus crimes atrozes em câmeras de vídeo caseiras.

"Não quero sugerir à audiência o que se passa, quero mostrar essas coisas horríveis", assinalou Blum.

"A Entidade 2" inclui imagens de mortes por choques elétricos, crucificações e até pessoas comidas vivas por ratos.

"Tentamos nos reinventar. Temos que tentar encontrar diferentes formas de assustar as pessoas e sentimos muita pressão. É um desafio constante", explicou o produtor, que considera que Bughuul poderia chegar a ser um ícone de terror cinematográfico como Jason ("Sexta-Feira 13") e Freddy ("A Hora do Pesadelo").

"Ele é muito prático, não se complica. É simples e cruel, e isso o torna muito aterrorizador", afirma Blum.

Em "A Entidade 2", a ação se centra em uma mãe e seus dois filhos que fogem até um velho casarão em uma área rural dos EUA para se esconderem de um marido e pai abusivo, sem saber a terrível ameaça que os espreita em seu novo lar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo