Filmes e séries

"Não faço filmes para os EUA", afirma Tarantino em visita a São Paulo

Carlos Villalba/Efe
"Não faço filmes para os EUA", afirma Tarantino em visita a São Paulo Imagem: Carlos Villalba/Efe

De São Paulo

23/11/2015 19h28

O cineasta Quentin Tarantino, ganhador de dois prêmios Oscar, afirmou nesta segunda-feira (23) em São Paulo que seus filmes "não são para americanos" e que, para ele, "os Estados Unidos são simplesmente um mercado a mais".

"Eu posso ser um cineasta americano, mas não faço filmes para os Estados Unidos", declarou Tarantino, que apresentou na capital paulista, junto ao ator britânico Tim Roth, seu último filme, "Os 8 Odiados", que estreará no próximo mês de dezembro em Hollywood e em janeiro no Brasil.

"Meus filmes se saíram bastante bem nos Estados Unidos, mas um pouco melhor no exterior", disse o diretor, produtor e roteirista, que acrescentou: "Apesar de serem em inglês e lidarem com assuntos americanos, não são filmes americanos em si. São para todo o mundo".

O Brasil é o primeiro país no qual desembarca a turnê de apresentação do mais recente e oitavo trabalho de Tarantino, um "western" ambientado anos depois da Guerra de Secessão e rodado integralmente em 70mm.

Um projeto que Tarantino esteve a ponto de abandonar depois que seu roteiro vazou e que antecede a anunciada aposentadoria do cineasta, que confirmou que deixará de fazer filmes quando concluir seu décimo projeto.

"Sinto uma grande pressão para manter o nível de trabalho que me satisfaz, e me decepcionaria muito se as pessoas esperassem certa qualidade e não a tivessem", comentou Tarantino.

"Tenho sorte, não tenho mulher nem filhos e não há nada que se anteponha a meus filmes, são o mais importante, todo o demais é secundário."

Depois de "Django Livre", Tarantino voltou a mergulhar de cabeça em um gênero ao qual garante ter muito com o que contribuir.

"A maneira com que estou lidando com a raça nos Estados Unidos, especialmente a negra, que é basicamente ignorada nos 'westerns', ou inclusive com a escravidão, o depois da Guerra Civil. Sinto que tenho algo que dizer", afirmou.

Carlos Villalba/EFE
Tarantino conversa com jornalistas em SP: "Sangue na vida real não é tão bonito" Imagem: Carlos Villalba/EFE

Questionado sobre a possibilidade de trabalhar junto ao cineasta Spike Lee, com quem teve vários atritos sobre o tom "racial" de seus filmes, Tarantino respondeu um categórico "jamais".

"Só me restam dois filmes, e não vou perdê-los trabalhando com o merda do Spike Lee. O dia que trabalhar com ele será o dia mais feliz da vida desse pequeno merda", disparou.

Tarantino também fez uma retrospectiva de sua carreira, que começou com "Cães de Aluguel" e que se consolidou com a violência como assinatura inapelável de seu universo.

"A cor vermelha está definitivamente em minha paleta, mas, assim como na vida, tem diferentes significados dependendo de como se usa. O mesmo ocorre com o sangue no cinema", explicou.

Segundo Tarantino, "o sangue na vida real não é tão bonito, dá medo e assusta, mas no cinema é sopa de framboesa e inclusive tem um gosto bom. Falamos de fantasia e diversão, e para mim é como se fosse pintura, que às vezes serve para embelezar, outras para assustar e outras para fazer uma piada".

O diretor também refletiu sobre suas mais de duas décadas de profissão e assinalou que "desde Kill Bill houve uma evolução para o teatral e o literário nos roteiros, sobretudo nos diálogos", os quais, reconheceu, "não são para todo o mundo".

"Tem que ter uma voz concreta e senso de humor", apontou Tarantino. Por isso, o cineasta tentou incorporar ao elenco atores com os quais já tinha trabalhado antes, um grupo de privilegiados que o próprio diretor denomina como "superestrelas de Tarantino".

Nesse sentindo, antes do final da entrevista, revelou que "se tivesse que escolher uma atriz com a qual nunca filme e com quem adoraria trabalhar, seria Kate Winslet".

Veja o trailer de "Os 8 Odiados"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
Topo