Filmes e séries

Brasil produziu dois filmes mais vistos na América Latina em 2016

Divulgação
Cena de "Os Dez Mandamentos - O Filme" Imagem: Divulgação

17/07/2017 18h17

Dois filmes brasileiros estão no topo do ranking das produções mais vistas nos cinemas da região ibero-americana (países da América onde o português ou espanhol são línguas predominantes) em 2016: "Os Dez Mandamentos - O Filme", de Alexandre Avancini, com 11,35 milhões de espectadores, e "Minha Mãe É uma Peça 2", de César Rodrigues, com 8,18 milhões de espectadores.

Os longas são seguidos pelos mexicanos "¿Qué Culpa Tiene el Niño?", de Gustavo Loza, com 5,98 milhões, e "No Manches Frida", dirigida pelo espanhol Nacho. G. Velilla, com 5,20 milhões, enquanto a espanhola "Sete Minutos Depois da Meia-Noite", de Juan Antonio Bayona, teve 4,61 milhões de espectadores.

Os números estão em um estudo, apresentado hoje nesta segunda (17) de Casa da América em Madri, que analisa a situação em 22 países 20 de fala hispânica, mais Brasil e Portugal, que contam com uma população de 677 milhões de pessoas.

O país com mais filmes próprios estreadas foi a Argentina, com 208, o que representa 23,11% do total de 900 produzidas na região; seguido da Espanha, com 188 (20,88%), e Brasil, com 170 (18,88%).

Mas no que se refere a espectadores, foram os brasileiros os que mais cinema nacional consumiram, com 33,62 milhões de espectadores, seguidos dos mexicanos, com 31,27 milhões, e os espanhóis, com 16,46 milhões.

O anuário foi elaborado pela Barlovento Comunicação e MRC e conta com o apoio da Fundação Euroamérica, a Fundação Ortega-Marañón e a colaboração de Casa da América.

Os países analisados são Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Reprodução
Cena do filme "Minha Mãe é uma Peça 2" (2016), de César Rodrigues Imagem: Reprodução

Muitas produções, pouca bilheteria

No ano de 2016, foram produzidos na região ibero-americana 900 filmes, o que significa esta zona foi a quarta do mundo em volume de produções, ainda que a arrecadação represente apenas 0,92% do total mundial, de acordo com a segunda edição do Anuário do Cinema da Ibero-América.

Enquanto os filmes estrangeiros na Ibero-América foram 4.515 e arrecadaram US$ 3,43 bilhões o que supõe 8,89% da bilheteria mundial, os 900 filmes produzidos na região arrecadaram no total US$ 355,6 milhões com 102,6 milhões de espectadores.

Devido ao fato de estes filmes ibero-americanos serem vistos principalmente em seus países de origem, a arrecadação fica abaixo de 1% a nível mundial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo