Filmes e séries

Rei da "comédia à italiana", Mario Monicelli, 95 anos, morre ao se jogar de um hospital em Roma

Getty Images
Mario Monicelli participa de festival de cinema espanhol em imagem de setembro de 2008 Imagem: Getty Images

ALESSANDRO GIANNINI

Editor de UOL Cinema

29/11/2010 21h00

Quem acompanha a novela "Passione" sabe que Gemma (Aracy Balabanian) quase sempre chora e se lamenta usando uma expressão: "Parenti serpenti!". A máxima italiana sobre as agruras da convivência familiar é também o título de um dos filmes mais famosos de Mario Monicelli, morto nesta segunda (29) ao se jogar do hospital onde estava internado, em Roma. Ele nascera há 95 anos, em Viareggio, cidade litorânea da Toscana, região onde ambientou boa parte de seus filmes.

Lançado no Brasil como "Parente é Serpente" (1992), o título foi um dos últimos filmes italianos de Monicelli a fazer sucesso no circuito comercial. Conta a história de uma família que, depois da morte do patriarca, se reúne na casa da mãe viúva para uma festa de Natal. Ao escutar dela que pretende vender a casa para ficar mais tempo com os filhos e os netos, os familiares entram em pânico, começam a jogar o problema uns nas costas dos outros para, finalmente, fazer o que se imaginava impossível.

  • Divulgação

    Os atores Ornella Muti e Michele Plácido em "Romance Popular" (1975), de Mario Monicelli


Monicelli era isso: o humor negro levado ao excesso, ao limite da ironia e do escárnio. Em contrapartida, podia ser terno, doce e melancólico. Ou as duas coisas ao mesmo tempo, como na série de comédias iniciada com "Meus Caros Amigos" (1975), seguida por "Quinteto Irreverente" (1982) e selada com "Caros F... Amigos" (1994). O centro dessa trilogia é um grupo de velhos amigos de escola liderados por um jornalista veterano interpretado por Phillipe Noiret que foge da rotina do dia a dia para pregar peças nos outros e rir desbragadamente da vida. Ugo Tognazzi é o conde falido; Adolfo Celi, o médico; Gastone Moschin, o arquiteto, e Duílio Del Prete, o remediado.

Entre seus grandes sucessos, estão "O Incrível Exército de Brancaleone" (1966), com Vittorio Gassman, e "Os Eternos Desconhecidos" (1958), que além do citado Gassman, traz ainda Claudia Cardinale, Marcello Mastroianni e Renato Salvatori. Este último título é considerado a semente da "Commedia all'italiana", um subgênero que floresceria nas duas décadas seguintes. Se há algo que ligue os filmes, é o olhar carinhoso de Monicelli em relação aos personagens ridículos e patéticos que ele acreditava que faziam parte de todos nós.

Monicelli começou carreira nos anos 30, ao lado do editor Alberto Mondadori, parceiro no primeiro curta-metragem e em outros projetos. A veia humoristica foi aperfeiçoada na parceria com Steno e Totó, no fim dos anos 40 e início dos anos 50. A partir de 1953, inicia a carreira solo, que seria marcada por vários êxitos. Entre os quais, um Leão de Ouro por "A Grande Guerra" (1959), que também lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro. E uma segunda indicação ao prêmio da Academia, desta vez por "Os Companheiros" (1963).

Com uma carreira prolífica e extremamente rica, não é de se espantar que Monicelli saia de cena desta maneira, surpreendendo a todos de forma trágica e com uma atitude totalmente inusitada. Se foi o desespero pelo diagnóstico de um câncer de próstata ou o cansaço de uma vida limitada será difícil saber com certeza. Talvez - e só talvez - fosse essa dúvida o efeito esperado por ele, como em um grande ato final.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo